Segunda-feira da décima sexta semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e quatro de julho, segunda-feira da décima sexta semana do Tempo Comum.

700 anos antes de Cristo, nas escrituras judaicas,
o profeta Miqueias oferece-nos estas palavras únicas:
hoje, começa a tua oração
deixando-te interpelar pela sua força.
«Com que me apresentarei diante do Senhor
e me inclinarei diante do Deus das alturas?
Já te foi indicado, ó homem, o que deves fazer,
o que o Senhor exige de ti:
praticar a justiça e amar a misericórdia
e ser humilde diante do teu Deus».

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus [Ev Mt 12, 38-42]

Alguns escribas e fariseus disseram a Jesus:
«Mestre, queremos ver um sinal da tua parte».
Mas Jesus respondeu-lhes:
«Esta geração perversa e infiel pretende um sinal,
mas nenhum sinal lhe será dado,
senão o sinal do profeta Jonas.
Assim como Jonas
esteve três dias e três noites no ventre da baleia,
assim o Filho do homem
estará três dias e três noites no seio da terra.
No dia do Juízo, os homens de Nínive
levantar-se-ão com esta geração e hão-de condená-la,
porque fizeram penitência quando Jonas pregou;
e aqui está quem é maior do que Jonas.
No dia do Juízo, a rainha do Sul
erguer-se-á com esta geração e há-de condená-la,
porque veio dos confins da terra
para ouvir a sabedoria de Salomão;
e aqui está quem é maior do que Salomão». 

 

Pontos de oração

Hoje Jesus fala do sinal do profeta Jonas o que aplicado ao texto se interpreta como a ressurreição de Cristo. Diz-nos o Senhor que é preciso fazer penitência para estarmos preparados para a sua ressurreição.

A sua ressurreição está sempre a dar-se no nosso coração, e nós também podemos estar sempre a fazer penitência. Repara que é uma coisa natural. É ires oferecendo as coisas que te custam como penitencia.

Agora houve o texto outra vez. Imagina Jonas na baleia e Jesus a ressuscitar.

 

Colóquio final

No final desta oração, expressa a Jesus a tua vontade de fazeres penitencia para lhe provares o teu amor, uma vez que é quando sofremos que provamos o nosso amor.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.