Segunda-feira da primeira semana da Quaresma

Hoje é dia seis de março, segunda-feira da primeira semana da Quaresma.

De Yumi Kurosawa estás a escutar Inner Space

A nossa vida encontra-se sempre em dinâmica de construção,
onde têm lugar o fracasso e o recomeço, 
a culpa e o perdão, o pecado e a Graça.
Pede ao Senhor a bênção do seu amor,
dirige-te a Ele com toda a confiança:
afinal, essa é a liberdade maior dos filhos de Deus.
Pede-Lhe sobretudo nos momentos mais difíceis,
onde germinam as possibilidades de uma vida nova.
E começa assim a tua oração.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 25, 31-46]

Disse Jesus aos seus discípulos:
«Quando o Filho do homem vier na sua glória
com todos os seus Anjos, sentar-Se-á no seu trono glorioso.
Todas as nações se reunirão na sua presença
e Ele separará uns dos outros,
como o pastor separa as ovelhas dos cabritos;
e colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda.
Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita:
‘Vinde, benditos de meu Pai; recebei como herança o reino
que vos está preparado desde a criação do mundo.
Porque tive fome e destes-Me de comer;
tive sede e destes-Me de beber; era peregrino e Me recolhestes;
não tinha roupa e Me vestistes; estive doente e viestes visitar-Me;
estava na prisão e fostes ver-Me’.
Então os justos Lhe dirão: 
‘Senhor, quando é que Te vimos com fome e Te demos de comer, 
ou com sede e Te demos de beber?
Quando é que Te vimos peregrino e Te recolhemos,
ou sem roupa e Te vestimos?
Quando é que Te vimos doente ou na prisão e Te fomos ver?’.
E o Rei lhes responderá:
‘Em verdade vos digo: quantas vezes o fizestes
a um dos meus irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes’.
Dirá então aos que estiverem à sua esquerda:
‘Afastai-vos de Mim, malditos, para o fogo eterno,
preparado para o diabo e os seus anjos.
Porque tive fome e não Me destes de comer; tive sede e não Me destes de beber;
era peregrino e não Me recolhestes; estava sem roupa e não Me vestistes;
estive doente e na prisão e não Me fostes visitar’.
Então também eles Lhe hão-de perguntar:
‘Senhor, quando é que Te vimos com fome ou com sede,
peregrino ou sem roupa, doente ou na prisão,
e não Te prestámos assistência?’
E Ele lhes responderá:
‘Em verdade vos digo: Quantas vezes o deixastes de fazer
a um dos meus irmãos mais pequeninos, 
também a Mim o deixastes de fazer’.
Estes irão para o suplício eterno e os justos para a vida eterna». 

 

Pontos de oração

«Quando é que te vimos...?» – dizem os justos, surpreendidos. Assim também acontecerá contigo: primeiro, sentirás admiração, espanto, perplexidade com a quantidade de bem que fizeste sem dar conta; depois, Jesus dir-te-á: em cada uma dessas vezes, era Eu a pessoa a quem ajudavas. Pensa nisso.

«Quando é que te vimos...?» – dizem os outros, com a mesma surpresa dos justos. Assim também te sentirás diante da quantidade de bem que deixaste por fazer sem dar conta. Pede ao Senhor que vá curando a tua surdez e a tua cegueira às necessidades das pessoas à tua volta.

Ao ouvires de novo o Evangelho, repara bem no critério que o Senhor estabelece para entrar no seu Reino. 
Quais os gestos que te permitem habitar no Reino dos Céus?

 

Colóquio final

Ou o amor é concreto ou não é amor. Conversa com o Senhor sobre a tua missão particular para fazer com que o amor ganhe corpo e se manifeste neste mundo tão necessitado.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.