Segunda-feira da segunda semana do Advento

Hoje é dia dez de dezembro, segunda-feira da segunda semana do Advento.

Começa a tua oração louvando a Deus,
criador e senhor de todas as coisas.
É uma atitude de justiça para com a imensa obra de Deus
e de gratidão por toda a sua bondade.
Se as circunstâncias da tua vida, hoje, não te permitem este canto de louvor,
deixa-te ficar em silêncio,
O Senhor virá certamente em teu auxílio
e há de libertar-te.
Então poderás louvá-Lo e agradecer-Lhe todos os seus dons.

Escuta esta passagem do Livro do Profeta Isaías. [L1 Is 35, 1-10]

Alegrem-se o deserto e o descampado,
rejubile e floresça a terra árida,
cubra-se de flores como o narciso,
exulte com brados de alegria.
Ser-lhe-á dada a glória do Líbano,
o esplendor do Carmelo e de Saron.
Verão a glória do Senhor,
o esplendor do nosso Deus.
Fortalecei as mãos fatigadas e robustecei os joelhos vacilantes.
Dizei aos corações perturbados:
«Tende coragem, não temais:
Aí está o vosso Deus,
que vem para fazer justiça e dar a recompensa.
Ele próprio vem salvar-vos».
Abrir-se-ão os olhos dos cegos e os ouvidos dos surdos.
Então o coxo saltará como um veado
e a língua do mudo cantará de alegria.
As águas brotarão no deserto e as torrentes na aridez da planície;
a terra seca transformar-se-á em lago
e a terra sequiosa em nascentes de água.
No covil dos chacais crescerão canas e juncos.
Aí haverá uma estrada,
que se chamará «caminho sagrado»;
nenhum homem impuro passará por ele
e nele os insensatos não se perderão.
Nesse caminho não haverá leões,
nem andarão por ali animais ferozes.
Por ele caminharão os resgatados e voltarão os que tiver libertado o Senhor.
Hão de chegar a Sião com brados de alegria,
com eterna felicidade a iluminar-lhes o rosto.
Reinarão o prazer e o contentamento e acabarão a dor e os gemidos.

O profeta fala para um contexto de desolação: o deserto, o descampado, a terra árida, as mãos fatigadas, os joelhos vacilantes e os corações perturbados…

No mundo que te toca mais de perto, dás-te conta de situações de desolação? Apresenta-as a Deus.

O profeta encoraja quem o ouve a reagir e a fazer alguma coisa, a fortalecer as mãos fatigadas, a falar aos corações perturbados…

De que maneira tens reagido à desolação que vês à tua volta? Agiste? Ou poderias ter feito alguma coisa mas acabaste por não fazer?

Ao ouvir outra vez o profeta Isaías, repara que a alegria virá de uma mudança radical: o coxo saltará, o mudo cantará, os cegos verão, a terra seca será um lago…

Que mudança radical imaginas que traria tanta alegria à tua vida ou às pessoas à tua volta?

No fim deste tempo de oração, imagina-te diante de Deus e conversa com Ele sobre as tristezas que conheces e as mudanças que desejas. Pede-Lhe imaginação e força para seres profeta da alegria nas situações concretas que conheces.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.