Segunda-feira da terceira semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e oito de janeiro, segunda-feira, memória litúrgica de São Tomás de Aquino.

A oração é um ato de confiança.
Mesmo quando te sentes confuso,
perdido nos teus problemas ou nas tuas mágoas,
Deus está presente com o seu amor.
E a oração é o teu grito de confiança,
ou o suspiro silencioso de quem sabe em quem acredita.
Hoje, diz ao Senhor:
“Tu, Senhor, és o meu protetor, a minha glória e Aquele que me sustenta”.
E começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem da Carta aos Hebreus. [L1 Heb 9, 15.24-28]

Cristo é mediador de uma nova aliança,
para que, intervindo a sua morte
para remissão das transgressões cometidas durante a primeira aliança,
os que são chamados recebam a herança eterna prometida.
Cristo não entrou num santuário feito por mãos humanas,
figura do verdadeiro,
mas no próprio Céu,
para Se apresentar agora na presença de Deus em nosso favor.
E não entrou para Se oferecer muitas vezes,
como o sumo sacerdote que entra cada ano no Santuário,
com sangue alheio;
nesse caso, Cristo deveria ter padecido muitas vezes,
desde o princípio do mundo.
Mas Ele manifestou-Se uma só vez, na plenitude dos tempos,
para destruir o pecado pelo sacrifício de Si mesmo.
E, como está determinado que os homens morram uma só vez
e a seguir haja o julgamento,
assim também Cristo, depois de Se ter oferecido uma só vez
para tomar sobre Si os pecados da multidão,
aparecerá segunda vez, sem a aparência do pecado,
para dar a salvação àqueles que O esperam.

Jesus inaugura um tempo novo, um tempo onde a misericórdia e o amor são a luz que permite ver e acolher a realidade de uma outra forma, mais profunda, frutuosa e verdadeira.

Tens procurado acolher a vida com este olhar de amor e misericórdia? Vai ao pequeno e concreto, ao dia de hoje ou ao de ontem, e aí verás quão próximo anda o teu coração do coração de Jesus...

A possibilidade e a capacidade de mudar tornam-se reais com Jesus. O fatalismo da origem ou da situação, que antes prevalecia, deixa de ser impedimentos para a conversão e o arrependimento, ou seja, para o seguimento de Jesus.
Sentes esta oferta de amor que te é feita a cada instante? Vives preso ou acolhes esta oportunidade que te impele a uma entrega sempre mais radical a Jesus?

Ao escutares de novo este texto da Carta aos Hebreus deixa que o teu coração se encha com o amor que Jesus tem por ti.

Termina a tua oração pedindo ao Senhor a graça de viveres tendo como referência o amor e os seus frutos.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.