Segunda-feira da quinta semana do Tempo Comum

Hoje é dia onze de fevereiro, segunda-feira da quinta semana do tempo comum.

O Senhor vem ao teu encontro
nas situações mais inesperadas e também nas mais simples.
Não rejeites nenhum tempo
como indigno do Senhor,
nem consideres nenhuma ocasião
como imprópria para a tua oração.
Procura que o teu coração encontre espaço para Deus,
estejas onde estiveres.
Afinal, Deus está sempre contigo
e tu podes estar sempre com Ele.
Alimenta este desejo... e começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Livro do Génesis. [L1 Gn 1, 1-19]

No princípio, Deus criou o céu e a terra. (...).
Disse Deus: «Faça-se a luz». E a luz apareceu.
Deus viu que a luz era boa, e separou a luz das trevas.
Deus chamou ‘dia’ à luz e ‘noite’ às trevas.
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: era o primeiro dia.
Disse Deus: «Haja um firmamento no meio das águas,
para as manter separadas umas das outras».
Deus fez o firmamento
e separou as águas que estavam debaixo do firmamento
das águas que estavam por cima dele. (...).
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o segundo dia.
Disse Deus: «Juntem-se as águas que estão debaixo do firmamento
num só lugar e apareça a terra seca».
E assim sucedeu.
À parte seca Deus chamou ‘terra’ e ‘mar’ ao conjunto das águas.
E Deus viu que isto era bom.
Disse Deus: «Cubra-se a terra de verdura: ervas que deem sementes
e árvores de fruto, que produzam sobre a terra frutos com a sua semente,
segundo a própria espécie».
E assim sucedeu. (...)
Deus viu que isto era bom.
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o terceiro dia.
Disse Deus: «Haja luzeiros no firmamento do céu,
para distinguirem o dia da noite
e servirem de sinais para as festas, os dias e os anos,
para que brilhem no firmamento do céu e iluminem a terra».
E assim sucedeu.
Deus fez dois grandes luzeiros: o maior para presidir ao dia
e o menor para presidir à noite; e fez também as estrelas.
Deus colocou-os no firmamento do céu para iluminarem a terra,
para presidirem ao dia e à noite e separarem a luz das trevas.
Deus viu que isto era bom.
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o quarto dia.

Disse Deus: “faça-se luz”, “haja firmamento”, “juntem-se águas”, “cubra-se a terra de verdura”, “haja luzeiros”.
Tudo o que vês é fruto da euforia criativa do teu Senhor que, na altura própria, também quis que tu existisses como filho queridíssimo.

Deus viu que tudo era bom. E quando te viu, ao nasceres, também sentiu que era mesmo muito bom que existisses. Nunca te esqueças disso, sobretudo quando experimentares o peso dos dias que não passam.

Deus chamou ‘céu’ ao firmamento. Mas, em português, céu designa também a morada definitiva que te está prometida, na presença de Deus e na companhia de todos os justos. Esse céu é o que há de mais firme na tua vida. É o teu “firmamento”.

Não penses que o mundo é óbvio. Que tinha de haver mar e ser azul, que tinha de haver prados e serem verdes, que tinha de haver Lua e haver Sol. Não! O que tu vês são obras primas de Deus Pai.
Admira-te. Espanta-te. E, já agora, agradece-Lhe e adora-O.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.