Segunda-feira da quarta semana da Quaresma

Hoje é dia um de abril, segunda-feira da quarta semana da quaresma.

“Senhor, meu Deus, eu vos louvarei eternamente”.
Deixa que estas palavras do salmista encontrem abrigo no teu coração.
Deixa crescer em ti o desejo de louvar o Senhor,
dando graças porque Ele é o teu salvador.
O Senhor nunca te falha,
mesmo quando tu não sentes a sua presença.
Ele quer-te bem
como ninguém nunca quis ou poderá querer.
Lentamente, vai repetindo:
“Senhor, meu Deus, eu vos louvarei eternamente”...
E começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 4, 46-53]

Jesus voltou novamente a Caná da Galileia,
onde convertera a água em vinho.
Havia em Cafarnaum um funcionário real
cujo filho se encontrava doente.
Quando ouviu dizer que Jesus viera da Judeia para a Galileia,
foi ter com Ele e pediu-Lhe que descesse a curar o seu filho,
que estava a morrer.
Jesus disse-lhe:
«Se não virdes sinais e prodígios, não acreditareis».
O funcionário insistiu:
«Senhor, desce, antes que meu filho morra».
Jesus respondeu-lhe:
«Vai, que o teu filho vive».
O homem acreditou nas palavras que Jesus lhe tinha dito e pôs-se a caminho.
Já ele descia,
quando os servos vieram ao seu encontro e lhe disseram que o filho vivia.
Perguntou-lhes então a que horas tinha melhorado.
Eles responderam-lhe:
«Foi ontem à uma da tarde que a febre o deixou».
Então o pai verificou que àquela hora Jesus lhe tinha dito:
«O teu filho vive».
E acreditou, ele e todos os de sua casa.

É tudo muito natural e espontâneo no pedido deste pai, funcionário real, implorando de Jesus a cura do filho doente. É um pedido que lhe brota do fundo do coração. É um pai que não está para alimentar polémicas. É um pai que não está interessado em confirmar se Jesus é realmente capaz de fazer as curas que lhe atribuem. A única coisa que realmente pretende é reaver o filho são e salvo. O pedido deste pai constitui uma verdadeira prece.

A fé não tem por base truques incríveis a que possas assistir. É a abertura a um caminho que vais fazendo. É um processo. É uma relação de confiança em que, independentemente do desfecho, sabes que podes confiar inteiramente no outro. Tens a certeza que o Senhor não te vai dececionar. Que tudo irá acabar pelo melhor.

Escuta pela segunda vez o Evangelho.
Acreditar leva-te sempre mais longe na relação com o Senhor. Sentes que o Senhor te seduz. Este sentimento intensifica-se, não só dentro de ti, mas à tua volta. É próprio do amor a fecundidade, que a todos se estende.

A concluir estes minutos de oração, deixa subir dentro de ti uma prece e derrama-a em favor de todos aqueles que tens mais a peito.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.