Segunda-feira da segunda semana do Tempo Comum

Hoje é dia quinze de janeiro, segunda-feira da segunda semana do Tempo Comum.

A experiência do sacrifício faz parte
de uma vida construída nos difíceis passos do amor.
O sacrifício retira um pouco de nós mesmos,
torna fecundos os nossos gestos
se alicerçados na busca da verdade.
Abre a tua oração ao louvor e à ação de graças,
no dom do teu tempo e das tuas palavras;
e que a fidelidade à voz do Senhor te acompanhe
ao longo de toda a tua história.  

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Marcos. [Ev Mc 2, 18-22]

Os discípulos de João e os fariseus guardavam o jejum.
Vieram perguntar a Jesus:
«Por que motivo jejuam os discípulos de João e os fariseus
e os teus discípulos não jejuam?».
Respondeu-lhes Jesus:
«Podem os companheiros do noivo jejuar,
enquanto o noivo está com eles?
Enquanto têm o noivo consigo, não podem jejuar.
Dias virão em que o noivo lhes será tirado;
nesses dias jejuarão.
Ninguém põe remendo de pano novo em vestido velho,
porque o remendo novo arranca parte do velho
e o rasgão fica maior.
E ninguém deita vinho novo em odres velhos,
porque o vinho acaba por romper os odres
e perdem-se o vinho e os odres.
Para vinho novo, odres novos». 

 

Pontos de oração

A presença de Jesus inaugura um tempo novo, pois veio revelar, de forma definitiva, os mistérios do Pai. Sem Jesus não há caminho até ao Pai, não há verdade sobre o amor nem uma vida plena. 
Que lugar ocupa, realmente, Jesus na tua vida? Que espaço dás à amizade que vos une? 

Jesus responde com firmeza e serenidade àqueles que procuram provocá-Lo, pondo em causa os hábitos dos seus discípulos. Esta atitude de Jesus brota da forte consciência que tem da presença de Deus que O habita. 
Apercebes-te que o Senhor fez também do teu coração sua morada? Que força Lhe concedes? Perscruta o teu coração...

Escuta de novo este episódio do Evangelho de Marcos. Deixa que o desalinhamento dos discípulos de Jesus face ao que seria esperado te desafie e questione. 

 

Colóquio final

Termina a tua oração pedindo ao Senhor a graça de viveres acolhendo mais e julgando menos. Que seja a compaixão a moldar o teu olhar e a guiar as tuas ações. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.