Segunda-feira da terceira semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e dois de janeiro, segunda-feira da terceira semana do Tempo Comum.

A dada altura, o livro bíblico de Ben-Sirá
deixa-nos um conselho singular: 
«Não sejas fraco na oração, 
nem mesquinho ao dar esmola.
Não repitas as palavras na tua petição». 
Na Bíblia, a oração surge frequentemente associada
à esmola para com os pobres
e à confiança para com Deus.
Por isso, ao expressares a tua prece, 
mune-te do silêncio filial que espera o melhor de Deus
e da perseverança na prática do bem.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Marcos. [Ev Mc 3, 22-30]

Os escribas que tinham descido de Jerusalém diziam:
«Está possesso de Belzebu»,
e ainda:
«É pelo chefe dos demónios que Ele expulsa os demónios».
Mas Jesus chamou-os e começou a falar-lhes em parábolas:
«Como pode Satanás expulsar Satanás?
Se um reino estiver dividido contra si mesmo,
tal reino não pode aguentar-se.
E se uma casa estiver dividida contra si mesma,
essa casa não pode durar.
Portanto, se Satanás se levanta contra si mesmo e se divide,
não pode subsistir: está perdido.
Ninguém pode entrar em casa de um homem forte
e roubar-lhe os bens, sem primeiro o amarrar:
só então poderá saquear a casa.
Em verdade vos digo:
Tudo será perdoado aos filhos dos homens:
os pecados e blasfémias que tiverem proferido;
mas quem blasfemar contra o Espírito Santo
nunca terá perdão: será réu de pecado para sempre».
Referia-Se aos que diziam:
«Está possesso dum espírito impuro». 

 

Pontos de oração

Ao ouvir os escribas, Jesus podia ter seguido o seu caminho. No entanto, escolheu dar-lhes uma hipótese renovada de virem ao seu encontro, acolhendo a verdade que os seus gestos anunciavam. 

O sacramento da reconciliação é o espaço para pedires e acolheres o perdão de Deus. É aí que o Senhor restabelece a vossa aliança e te dá forças renovadas para seres fiel e procurares o bem. 
Há quanto tempo não te confessas? Não deixes que o ritmo acelerado da tua vida e as tuas muitas ocupações te distraiam do essencial. Pedires perdão a Deus no íntimo do teu coração não é o mesmo que acolheres a graça do sacramento da reconciliação. Precisas de ambos!

Escuta de novo esta passagem e procura imaginar a Jesus. Fisicamente, que postura teria? Que entoação daria às palavras que escutas?

 

Colóquio final

Termina a tua oração dando graças ao Senhor por não te impor limites; Ele dá-te a cada instante a possibilidade de recomeçares e de fazeres melhor. Pede-Lhe a graça de seres capaz de construir relações de amor e liberdade na tua vida. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.