Segunda-feira da vigésima quinta semana do tempo comum

Hoje é dia vinte e três de setembro, segunda-feira da vigésima quinta semana do tempo comum.

A oração é como uma sementeira: por vezes, a semente é lançada à terra sem muita esperança, pois o tempo está pouco propício. Com o passar dos dias, vais-te esforçando por cuidar da pequena semente, dando o teu melhor, insistindo sempre. E, um dia, depois de muitos esforços e talvez algumas lágrimas, brota um sorriso largo no teu interior, pois a semente tão longamente cuidada acabou dando frutos abundantes. Hoje, louva o Senhor por todos os frutos já colhidos e por aqueles que ainda poderás colher. E começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do livro de Esdras. [L1 Esdr 1, 1-6]

No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia, para se cumprir a palavra do Senhor, pronunciada pela boca de Jeremias, o Senhor despertou o espírito de Ciro, rei da Pérsia, que mandou publicar em todo o seu reino, de viva voz e por escrito, a seguinte proclamação: «Assim fala Ciro, rei da Pérsia: O Senhor, Deus do Céu, entregou-me todos os reinos da terra e Ele próprio me encarregou de Lhe construir um templo em Jerusalém, na terra de Judá. Quem de entre vós faz parte do seu povo? O seu Deus esteja com ele e suba a Jerusalém de Judá, para construir o templo do Senhor, o Deus de Israel, que habita em Jerusalém. E todos os sobreviventes do povo, onde quer que residam, devem ser ajudados pelos habitantes do lugar, com prata, ouro, bens e rebanhos, e também com oferendas voluntárias, para o templo de Deus, que habita em Jerusalém». Então levantaram-se os chefes de família de Judá e de Benjamim, os sacerdotes e os levitas, enfim, todos os que o Senhor inspirou para reconstruir o templo do Senhor em Jerusalém. Todos os seus vizinhos os ajudaram em tudo, com prata, ouro, bens, rebanhos e objetos preciosos, e também com toda a espécie de ofertas voluntárias.

Deus desperta Ciro, rei da Pérsia, para que este cumpra a palavra do Senhor. E a palavra do Senhor era que Lhe fosse construído um templo em Jerusalém. Todas as pessoas deviam contribuir com ouro, prata, bens e ofertas voluntárias. Tu és um templo para o Senhor. Estás disposto a deixá-Lo habitar em ti?

O decreto do rei Ciro fala em ofertas voluntárias. Deus, que fala pela boca do rei, quer que também haja ofertas voluntárias para o templo. O que nós não oferecemos a Deus com agrado, não tem valor para Deus. Pensa em alguma coisa que hoje queiras oferecer a Deus.

Ouve o texto outra vez. Imagina o rei Ciro, no trono do seu palácio, a mandar proclamar e anunciar o seu decreto.

A tua oração de hoje está a terminar. Imagina-te a proclamares um decreto para ti próprio. O decreto é decidires uma oferta para o templo de Deus que tens dentro de ti. Talvez uma coisa que se venha a arrastar há algum tempo. O que poderá ser? Porque não falas com Deus sobre isso?

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.