Segundo domingo da Páscoa ou domingo da Divina Misericórdia

Hoje, a Igreja celebra o segundo domingo da Páscoa ou domingo da Divina Misericórdia. 

É a misericórdia que nos transporta
do medo à confiança,
da tristeza à alegria, 
das portas fechadas ao envio pelo mundo.
É a misericórdia que o Ressuscitado nos revela,
na vida divina que irrompe
das cadeias do pecado, da injustiça, da morte.
Hoje é domingo, o primeiro dia da semana:
que o sinal da misericórdia, um dos nomes de Deus,
te acompanhe sempre, 
nos teus dias e na tua vida.

 

Escuta o salmo 117: é um típico salmo do Tempo Pascal, próprio da liturgia de ação de graças da festa das tendas. Coloca-te nessa atitude.
[Salmo 117 (118), 2-4.16ab-18.22-24]
Diga a casa de Israel:
é eterna a sua misericórdia.
Diga a casa de Aarão:
é eterna a sua misericórdia.
Digam os que temem o Senhor:
é eterna a sua misericórdia.

A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei de viver,
para anunciar as obras do Senhor.
Com dureza me castigou o Senhor,
mas não me deixou morrer.

A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
é admirável aos nossos olhos.
Este é o dia que o Senhor fez:
exultemos e cantemos de alegria. 

 

"O Senhor é bom; a sua bondade permanece para sempre!" É o que tens de repetir e cantar como um refrão interior, sem te cansares, com o desejo de que todos o possam reconhecer.

Medita na importância de confiar em Deus, de lhe fazer festa, de convidar todos a ver o lado bom de todas as coisas, mesmo sabendo que somos fracos. Não te deixes cair no individualismo e no pessimismo. 

Preparando-te para ouvir de novo este salmo, repete interiormente: «viverei para cantar as obras do Senhor»! 

Conclui a tua oração. Faz o propósito de viveres esta segunda semana de Páscoa na atenção e no cuidado com a promoção de um ambiente onde todos se sintam acolhidos com simplicidade e alegria. 

 

Pai nosso que estais nos céus
santificado seja o vosso nome
venha a nós o vosso Reino
seja feita a vossa vontade
assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido
e não nos deixeis cair em tentação
mas livrai-nos do mal.