Sexta-feira da décima nona semana do Tempo Comum

Hoje é dia dezoito de agosto, sexta-feira da décima nona semana do Tempo Comum.

Ao longo dos Evangelhos,
Jesus alerta constantemente
para um risco, um perigo, uma tentação:
a dureza de coração.
Um coração incapaz de se deixar moldar,
de escutar a súplica do outro, de se abrir ao perdão,
de renovar a sua vida nas relações de amor.
Hoje, começa a tua oração
pedindo esta graça ao Senhor, talvez a única necessária:
«não deixes, Senhor, de converter o meu coração».

 

Escuta esta passagem do Salmo cento e trinta e cinco. [Salmo 135(136),1-3.16-18.21-22.24] 

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom:
é eterna a sua bondade.
Dai graças ao Deus dos deuses:
é eterna a sua bondade.
Dai graças ao Senhor dos senhores:
é eterna a sua bondade.
 
Conduziu o seu povo através do deserto:
é eterna a sua bondade.
Feriu grandes reis:
é eterna a sua bondade.
Matou reis poderosos:
é eterna a sua bondade.
 
Deu a terra deles em herança:
é eterna a sua bondade.
Em herança a Israel, seu povo:
é eterna a sua bondade.
E libertou-nos dos nossos opressores:
é eterna a sua bondade. 

 

Pontos de oração

Agradece ao Senhor porque Ele é bom e é eterna a sua bondade. 
A tua vida testemunha este louvor que o salmista te propõe. Deixa brotar espontaneamente do teu coração os momentos em que foste agraciado por esta bondade transbordante. 

Agradece, agora, ao Senhor porque Ele é bom e é eterna a sua bondade, não só para contigo, mas para com todos. O Senhor não ama quem prova merecer o seu amor; ama porque Ele próprio é Amor e este Ser Amor não conhece nem fronteiras nem limites, porque é desde sempre e para sempre. 
A universalidade do amor de Deus comove-te e impele-te a uma ação mais consciente de que tudo é dom e bênção do Senhor?

Ao escutares de novo o salmo reza pelos cristãos que são perseguidos e não podem viver tão livremente como tu a sua fé. É dela que brota a esperança e a alegria que experimentam no meio de tanto mal e sofrimento.

 

Colóquio final

Pede ao Senhor a graça de seres testemunha da sua bondade na tua vida, não de forma superficial mas profunda, e pergunta-Lhe que mudanças implica esta conversão. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.