Sexta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e um de julho, sexta-feira da décima quinta semana do Tempo Comum.

Tudo te pertence: a oração e o louvor
o perdão e a confiança,
a amizade e o amor,
o tempo e a história,
a vida e a eternidade.
Tudo se abre para ti
no Coração aberto e trespassado da Cruz.
Hoje, por um breve momento do teu dia,
agradece tudo isto,
e abre-te à novidade do Espírito.
Começa assim a tua oração.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 12, 1-8] 

Jesus passou através das searas em dia de sábado
e os discípulos, sentindo fome,
começaram a apanhar e a comer espigas.
Os fariseus viram e disseram a Jesus:
«Vê como os teus discípulos estão a fazer
o que não é permitido ao sábado».
Jesus respondeu-lhes:
«Não lestes o que fez David,
quando ele e os seus companheiros sentiram fome?
Entrou na casa de Deus
e comeu dos pães da proposição,
que não era permitido comer,
nem a ele nem aos seus companheiros,
mas somente aos sacerdotes.
Também não lestes na Lei
que, ao sábado, no templo,
os sacerdotes violam o repouso sabático
e ficam isentos de culpa?
Eu vos digo que está aqui alguém
que é maior que o templo.
Se soubésseis o que significa:
‘Eu quero misericórdia e não sacrifício’,
não condenaríeis os que não têm culpa.
Porque o Filho do homem é Senhor do sábado». 

 

Pontos de oração

O sábado, para os judeus, era na sua essência um dia dedicado ao Senhor: um dia de descanso, oração e encontro em família. Mas, com o tempo, tinha sido transformado num dia cheio de preceitos que tiravam o lugar ao agradecimento e louvor a Deus. Jesus proclama-se “Senhor do Sábado”, devolvendo-lhe o verdadeiro sentido. 

«Eu quero misericórdia e não sacrifício». 
O que pode esta frase querer dizer hoje na tua vida? Em que situações tens de rever a forma como lidas com as normas, com os preceitos… e com as pessoas? 

Ouve de novo a leitura e abre-te ao que Deus te quiser dizer através dela. 

 

Colóquio final

Ao terminar a tua oração, pede a Jesus que te dê a sua sabedoria, para saberes lidar com tudo, “tanto quanto” te ajude a aproximares-te d’Ele e dos teus irmãos. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.