Sexta-feira da décima segunda semana do tempo comum

Hoje é dia dois de setembro, sexta-feira da décima segunda semana do tempo comum.

Ao começares a tua oração, invoca o Senhor. Pede-Lhe que te abençoe com a sua Presença. Prepara-te para O acolher como Ele quiser. Diz-Lhe que gostarias de sentir a sua presença, mas sobretudo queres que se faça a sua vontade. Não queiras ser tu a dizer a Deus o que é melhor, mas confia! Deixa-te surpreender, deixa-te conduzir até onde Ele te quiser levar. 

Assim, vale a pena começares a tua oração.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 5, 33-39]

Os fariseus e os escribas disseram a Jesus:
«Os discípulos de João Batista e os fariseus
jejuam muitas vezes e recitam orações.
Mas os teus discípulos comem e bebem».
Jesus respondeu-lhes:
«Quereis vós obrigar a jejuar os companheiros do noivo, 
enquanto o noivo está com eles?
Dias virão em que o noivo lhes será tirado;
nesses dias jejuarão».
Disse-lhes também esta parábola:
«Ninguém corta um remendo de um vestido novo,
para o deitar num vestido velho,
porque não só rasga o vestido novo,
como também o remendo não se ajustará ao velho.
E ninguém deita vinho novo em odres velhos,
porque o vinho novo acaba por romper os odres, 
derramar-se-á e os odres ficarão perdidos.
Mas deve deitar-se vinho novo em odres novos.
Quem beber do vinho velho não quer do novo,
pois diz: ‘O velho é que é bom’». 

 

Pontos de oração

As práticas religiosas que a Igreja te oferece são alimento para a tua vida espiritual. São encontro vivo e fecundo. Muitas vezes, porém, não é assim que são vividas, nem encaradas. Interroga-te sobre a forma como participas nos sacramentos que a Igreja te oferece, em particular a Eucaristia.

Medita sobre a realidade da Igreja atual. Procura olhar para ela com o olhar de Deus. Pensa no Papa, no bispo da tua diocese, no pároco da tua paróquia ou em algum padre que te seja mais próximo... Recorda-te que a Igreja também és tu! O que podes fazer para que ela cumpra cada vez mais a missão que o Senhor lhe confiou? 

Ao escutares de novo esta passagem do Evangelho, toma consciência de como os confrontos faziam parte da vida de Jesus. Ele não despreza as práticas religiosas, mas ensina que estas devem ser vividas tendo como referência a relação com Deus. 

 

Colóquio final

Termina a tua oração pedindo ao Senhor a graça de viveres com o coração centrado no essencial. Louva-O por este tempo de intimidade que passastes juntos.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.