Sexta-feira da décima terceira semana do tempo comum

Hoje é dia um de julho, sexta-feira da décima terceira semana do tempo comum.

A oração é um modo privilegiado de alimentar a relação vital com Deus. 

Às vezes, podes pensar que Deus não tem muito a ver com o concreto da tua vida. Que a relação com Ele é, talvez, só uma ajuda para ultrapassares os teus desafios. Mas Jesus diz-nos que Ele é a vida. Fora d’Ele só existe a morte e o isolamento.
Agradece-Lhe porque te chamou à vida e pede-Lhe a graça de viveres a vida em abundância. Assim, vale a pena começares a tua oração. 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo são Mateus. [Ev Mt 9, 9-13]

Jesus ia a passar,
quando viu um homem chamado Mateus,
sentado no posto de cobrança dos impostos,
e disse-lhe: «Segue-Me».
Ele levantou-se e seguiu Jesus.
Um dia em que Jesus estava à mesa em casa de Mateus, 
muitos publicanos e pecadores
vieram sentar-se com Ele e os seus discípulos.
Vendo isto, os fariseus diziam aos discípulos:
«Por que motivo é que o vosso Mestre
come com os publicanos e os pecadores?».
Jesus ouviu-os e respondeu:
«Não são os que têm saúde que precisam do médico, 
mas sim os doentes.
Ide aprender o que significa:
‘Prefiro a misericórdia ao sacrifício’.
Porque Eu não vim chamar os justos,
mas os pecadores». 

 

Pontos de oração

«Não são os que têm saúde que precisam do médico, mas sim os doentes». Jesus tira o tapete a todos os que se consideram limpos, impecáveis, exemplares. A condição para estar com Jesus é que te reconheças carente, ferido, necessitado. É para os que precisam d’Ele que Ele vem.

Jesus recupera as palavras de Oseias para dar um recado: «Ide aprender o que significa ‘Prefiro a misericórdia ao sacrifício’». 

Há quem procure levar uma vida certinha e há quem procure acertar com a vida. São coisas diferentes. A vida certinha é a do cumpridor de regras, da pessoa exemplar que corresponde a expectativas de superiores e autoridades. E isso é bom; mas não basta. Ao ouvires de novo o Evangelho, tenta perceber onde Jesus quer que chegues.

 

Colóquio final

O Papa Francisco trouxe a misericórdia para o centro da vida da Igreja; e não se tem cansado de convidar a que te aproximes do sacramento da confissão. Pondera no teu coração se não será tempo de responder a esse convite.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.