Sexta-feira da oitava da Páscoa

Hoje é dia vinte e seis de abril, sexta-feira da oitava da Páscoa.

O sepulcro está vazio e Jesus aparece aos seus discípulos quando eles menos esperam. A sua vida é bem real, embora já não seja deste mundo. Os discípulos tentam encontrar outras explicações, mas Jesus está ali, diante deles: é Ele, embora diferente, mais vivo do que nunca. Deixa-te tocar por esta presença, por mais surpreendente que seja. Deixa que a ressurreição de Jesus mexa contigo. Procura sinais de Jesus ressuscitado na tua vida e na vida dos que te são mais próximos. E começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 21, 1-14]

Jesus manifestou-Se novamente aos discípulos junto ao Mar de Tiberíades. Manifestou-Se deste modo: Estavam juntos Simão Pedro, Tomé, chamado Dídimo, e Natanael, que era de Caná da Galileia. Estavam ainda presentes os filhos de Zebedeu e mais dois discípulos de Jesus. Disse-lhes Simão Pedro: «Vou pescar». Eles responderam-lhe: «Nós vamos contigo». Saíram de casa e subiram para o barco, mas naquela noite não apanharam nada. Ao romper da manhã, Jesus apresentou-Se na margem, mas os discípulos não sabiam que era Ele. Disse-lhes então Jesus: «Rapazes, tendes alguma coisa para comer?» Eles responderam: «Não». Disse-lhes Jesus: «Lançai a rede para a direita do barco e encontrareis». Eles lançaram a rede e já mal a podiam arrastar por causa da abundância de peixes. Então o discípulo predileto de Jesus disse a Pedro: «É o Senhor». Simão Pedro, quando ouviu dizer que era o Senhor, vestiu a túnica que tinha tirado e lançou-se ao mar. Os outros discípulos, que estavam distantes apenas uns duzentos côvados da margem, vieram no barco, puxando a rede com os peixes. Logo que saltaram em terra, viram brasas acesas com peixe em cima, e pão. Disse-lhes Jesus: «Trazei alguns dos peixes que apanhastes agora». Simão Pedro subiu ao barco e puxou a rede para terra, cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes. E, apesar de serem tantos, não se rompeu a rede. Disse-lhes Jesus: «Vinde comer». Nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar: «Quem és Tu?» Bem sabiam que era o Senhor. Então Jesus aproximou-Se, tomou o pão e deu-lho, fazendo o mesmo com o peixe. Foi esta a terceira vez que Jesus Se manifestou aos discípulos, depois de ter ressuscitado dos mortos.

Tentemos imaginar esta cena. Mostra-nos como o Ressuscitado está presente à Igreja. A barca de Pedro é a Igreja, lançada na grande travessia. Pedro toma a dianteira, convida os outros para a missão. Cristo espera-nos, atento, na “outra margem” da vida. Só o olhar de águia de João O identifica e reconhece nos sinais da grande pescaria. Pedro precipita-se ao encontro. Nós puxamos as redes. Cristo chama-nos ao banquete celeste. Aproveitando o fruto do nosso trabalho.

Qual o teu lugar na barca? Como reages nas noites em que nada se pesca? Vais "pescar", ou seja, trabalhar escutando a voz de Deus ou apenas por conta própria?

Ouvindo de novo o Evangelho, pensa no modo como vives a Eucaristia e alimentas a tua fé.

Ao terminares esta oração, pede ao Senhor o dom da fortaleza e do discernimento para viveres conforme à vontade de Deus em todas as ocasiões.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.