Sexta-feira da quinta semana do Tempo Comum

Hoje é dia quinze de fevereiro, sexta-feira da quinta semana do tempo comum.

Deixa o teu coração descansar na mão de Deus.
Deixa a tua mente repousar na sua presença.
Se caminhas, fá-lo como se não tivesses de chegar.
Agora é a vez de Deus marcar o ritmo,
mostrar o caminho,
ser a segurança, o repouso, a paz.
Feliz simplesmente por estares onde estás...
começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Livro do Génesis. [L1 Gn 3, 1-8]

A serpente era o mais astuto de todos os animais dos campos
que o Senhor tinha feito.
Ela disse à mulher:
«É verdade que Deus vos disse:
‘Não podeis comer fruto de nenhuma árvore do jardim’?».
A mulher respondeu à serpente:
«Nós podemos comer do fruto das árvores do jardim.
Mas sobre o fruto da árvore que está no meio do jardim,
Deus disse:
‘Não podeis comer dele nem tocar-lhe, senão morrereis’».
A serpente disse então à mulher:
«Não, não morrereis.
Mas Deus sabe que, no dia em que dele comerdes,
os vossos olhos se abrirão e sereis como deuses,
conhecedores do bem e do mal».
A mulher reparou então que a árvore era boa para comer,
agradável à vista e desejável para adquirir conhecimento.
Colheu do seu fruto, comeu-o
e deu-o a seu marido que estava junto dela e ele também comeu.
Então abriram-se os olhos aos dois e perceberam que estavam nus.
Por isso entrelaçaram folhas de figueira e cingiram-se com elas.
Mas ao ouvirem os passos do Senhor Deus,
que passeava no jardim pela brisa da tarde,
o homem e a mulher esconderam-se do Senhor Deus
entre as árvores do jardim.

O Papa Francisco alertou várias vezes que há um tentador, um ser real que te perturba e boicota, e quer que te distancies do teu Deus.
Não te são familiares a astúcia e manha dos argumentos da serpente?

"A serpente disse então à mulher: «Não, não morrereis." De facto, os nossos primeiros pais não morreram logo no corpo, mas logo morreu no coração a confiança com o Criador e a sintonia com a criação.
Não te faz lembrar o que acontece de cada vez que decides contra Deus?

Apesar de haver demónio, tentações e os teus erros, o que mais brilha nesta passagem é a serena bondade de Deus, que não desiste de passear no jardim da vida dos homens pela brisa da tarde...

Deus quer-te contente, mesmo no meio dos teus erros, desde que te arrependas e com frequência recorras ao sacramento da confissão. Este é chamado, com toda a razão, o sacramento da alegria!

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.