Sexta-feira da terceira semana da Quaresma

Hoje é dia vinte e nove de março, sexta-feira da terceira semana da quaresma.

“Eu, o Senhor, sou o teu Deus”.
O salmista faz-se porta voz de Deus,
declarando o seu direito exclusivo a ser reconhecido como Senhor e salvador.
Deixa ressoar em ti esta palavra.
Não a entendas como uma exigência, antes como um pedido:
o Senhor do Universo pede-te que O reconheças como teu Deus,
que O acolhas,
para Ele poder cumular-te com os seus dons.
É o Amor que te fala e se dá infinitamente.
Deixa crescer em ti o desejo de acolher este Deus-Amor
que nunca Se cansa de vir ao teu encontro.
E começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Marcos. [Ev Mc 12, 28b-34]

Um escriba aproximou-se de Jesus e perguntou-Lhe:
«Qual é o primeiro de todos os mandamentos?»
Jesus respondeu-lhe:
«O primeiro é este:
‘Escuta, Israel:
O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor:
Amarás o Senhor teu Deus
com todo o teu coração, com toda a tua alma,
com todo o teu entendimento e com todas as tuas forças’.
O segundo é este:
‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’.
Não há nenhum mandamento maior que estes».
Disse-Lhe o escriba:
«Muito bem, Mestre! Tens razão quando dizes:
Deus é único e não há outro além d’Ele.
Amá-Lo com todo o coração,
com toda a inteligência e com todas as forças,
e amar o próximo como a si mesmo,
vale mais do que todos os holocaustos e sacrifícios».
Ao ver que o escriba dera uma resposta inteligente,
Jesus disse-lhe:
«Não estás longe do reino de Deus».
E ninguém mais se atrevia a interrogá-Lo.

Perguntam a Jesus: “Qual é o primeiro de todos os mandamentos?”
Os mandamentos eram originalmente dez, mas depois multiplicavam-se numa profusão infindável de preceitos. Citando as Escrituras, a resposta de Jesus vai direta ao essencial: ama a Deus com todas as faculdade do teu ser – ama-O como o único Senhor do teu coração. Este primeiro mandamento é que te capacita para pôr em prática todos os outros…

Jesus sente necessidade de acrescentar um segundo mandamento ao primeiro, como se fossem indissolúveis – e a prática do primeiro conduzisse obrigatoriamente à prática do segundo. Como se todos os mandamentos estivessem contidos neste único mandamento do amor, com duas vertentes: a Deus e ao próximo.

Escuta novamente o Evangelho.
Cumprir o mandamento do amor vale mais que todos os holocaustos, sacrifícios e os inúmeros preceitos. Mais importante que o que fazes, é o amor que colocas no que fazes.

Termina este tempo de oração pedindo a graça de colocares lado a lado o amor a Deus e o amor ao próximo e de os considerares realmente superiores ao mero cumprimento de preceitos.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.