Sexta-feira da segunda semana do Advento

Hoje é dia quinze de dezembro, sexta-feira da segunda semana do Advento.

Estás prestes a iniciar o teu momento de oração.
Nesta semana que está a concluir-se, 
conviveste com as luzes e ritmos do mundo,
que prepara um natal bem diferente do seu significado.
Não é fácil, por vezes, escapar a estes ritmos:
que este momento de oração seja, no teu dia,
o reencontro com o sentido verdadeiro e pleno
deste tempo de Advento.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 11, 16-19] 

Disse Jesus à multidão:
«A quem poderei comparar esta geração?
É como os meninos sentados nas praças,
que se interpelam uns aos outros, dizendo:
‘Tocámos flauta e não dançastes;
entoámos lamentações e não chorastes’.
Veio João Batista, que não comia nem bebia,
e dizem que tinha o demónio com ele.
Veio o Filho do homem, que come e bebe,
e dizem: ‘É um glutão e um ébrio,
amigo de publicanos e pecadores’.
Mas a sabedoria foi justificada pelas suas obras». 

 

Pontos de oração

A Boa Nova do reino de Deus incomoda muita gente e Jesus é criticado por isso. 
Também hoje há pessoas que se agarram ao que sempre foi ensinado e não aceitam um outro modo de explicação da fé. É preciso ser fiel aos mandamentos do Senhor sem perder também a lei da misericórdia.

Jesus lamenta-Se da falta de coerência da sua gente. Inventam sempre algum pretexto para não aceitarem a mensagem que anuncia. 
É fácil encontrar argumentos e pretextos quando se trata de criticar quem pensa de modo diverso do teu. Em tempo de Advento, predispõe-te a olhar com bondade para quem é diferente de ti. 

Aqueles que se consideram sábios apenas aceitam quem tem as mesmas ideias. E isto é tudo menos sabedoria! Ouve novamente o Evangelho e repara como a sua incoerência os condena.

 

Colóquio final

Haverá alguém a quem feches sempre o coração, a quem comeces logo a criticar quando fala, sem dar espaço a que seja diferente? Conclui este tempo de oração rezando por aqueles com quem sentes menos afinidades.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.