Sexta-feira da segunda semana do Tempo Pascal

Hoje é dia vinte e oito de abril, sexta-feira da segunda semana do Tempo Pascal.

A oração é uma busca frágil e incessante
de um silêncio, ao mesmo tempo
tão simples e elementar
e tão difícil de encontrar.
Hoje, começa a tua oração
deixando ecoar, no teu íntimo,
esta prece do poeta Jorge de Sena:
«Senhor: não peço mais do que o silêncio do mundo,
o silêncio dos astros, o silêncio das coisas
que outros homens fizeram, e o das coisas
que eu próprio fiz. E o teu silêncio
de senhor que foi. Não peço mais.
Não é nada o que peço. Dá-me
o silêncio.» 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 6, 1-15] 

Jesus partiu para o outro lado do mar da Galileia, também chamado de Tiberíades.
Seguia-O numerosa multidão,
por ver os milagres que Ele realizava nos doentes.
Jesus subiu a um monte e sentou-Se aí com os seus discípulos.
Estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus.
Erguendo os olhos e vendo que uma grande multidão vinha ao seu encontro,
Jesus disse a Filipe:
«Onde havemos de comprar pão para lhes dar de comer?»
Dizia isto para o experimentar, pois Ele bem sabia o que ia fazer.
Respondeu-Lhe Filipe:
«Duzentos denários de pão não chegam para dar um bocadinho a cada um».
Disse-Lhe um dos discípulos, André, irmão de Simão Pedro:
«Está aqui um rapazito que tem cinco pães de cevada e dois peixes.
Mas que é isso para tanta gente?»
Jesus respondeu: «Mandai-os sentar».
Havia muita erva naquele lugar
e os homens sentaram-se em número de uns cinco mil.
Então, Jesus tomou os pães, deu graças
e distribuiu-os aos que estavam sentados,
fazendo o mesmo com os peixes;
e comeram quanto quiseram.
Quando ficaram saciados, Jesus disse aos discípulos:
«Recolhei os bocados que sobraram, para que nada se perca».
Recolheram-nos e encheram doze cestos
com os bocados dos cinco pães de cevada
que sobraram aos que tinham comido.
Quando viram o milagre que Jesus fizera,
aqueles homens começaram a dizer:
«Este é, na verdade, o Profeta que estava para vir ao mundo».
Mas Jesus, sabendo que viriam buscá-Lo para O fazerem rei,
retirou-Se novamente, sozinho, para o monte. 

 

Pontos de oração

Jesus interpela a tua fé, pede a tua colaboração. Sabes que Jesus sabe o que vai fazer. É sempre o mesmo: alimentar a fome de pão e de amor de uma numerosa multidão. De muitas maneiras e modos. Agora, contigo, como é? 

O cuidado de Jesus em que nada se perca. Não é só a recolha dos pedaços que sobraram, mas, sobretudo, que ninguém fique excluído. Todos e cada um serão saciados. Desistes de amar alguém em particular? Reconcilia-te. 

O Bom Pastor universal dá-Se a si mesmo na Eucaristia. Só comungas quando vais à Missa? Então, deixas de alimentar muita gente que precisa de ti. 
Escuta de novo o Evangelho e aprende a construir a comunhão, praticando a caridade, celebrando a Eucaristia no altar da tua vida. 

 

Colóquio final

O Senhor fala contigo: “Onde havemos de comprar pão para lhes dar de comer?” A quem? Pede a Jesus que te mostre quem precisa mais de ser consolado.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.