Sexta-feira da sétima semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e cinco de maio, sexta-feira da sétima semana do Tempo Comum.

Estás prestes a iniciar o teu momento de oração,
numa semana que em breve se conclui.
Oferece ao Senhor o que esta semana te proporcionou,
e oferece também as expetativas que não se concretizaram.
Oferece-Lhe o tempo e a história, 
os caminhos e passagens,
os encontros e desencontros.
Oferece-Lhe tudo: e deixa que seja o seu juízo
e não o teu
a separar os frutos e a memória.

 

Escuta esta passagem do Salmo 102. [Slm 102 (103), 1-2.3-4.8-9.11-12] 

Bendiz, ó minha alma, o Senhor
e todo o meu ser bendiga o seu nome santo.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor
e não esqueças nenhum dos seus benefícios.

Ele perdoa todos os teus pecados
e cura as tuas enfermidades.
Salva da morte a tua vida
e coroa-te de graça e misericórdia.

O Senhor é clemente e compassivo,
paciente e cheio de bondade.
Não está sempre a repreender
nem guarda ressentimento.

Como a distância da terra aos céus,
assim é grande a sua misericórdia para os que O temem.
Como o Oriente dista do Ocidente,
assim Ele afasta de nós os nossos pecados. 

 

O Senhor não está sempre a repreender nem guarda ressentimento, diz-nos o salmista. Deus é perfeito. Por isso, é natural que seja assim. Deve ser um exemplo para ti, que aspiras à perfeição cristã. Pede a Deus que cure os teus ressentimentos. Ou que os não tenhas.

Não ter ressentimento é diferente de esquecer. Podes não esquecer alguma coisa que te fizeram, mas não guardares ressentimento. Ressentimento é azedume. 
Pede a Deus que te ajude a assimilar esta diferença. 

Ouve agora o salmo outra vez. Imagina um Deus paciente, bondoso, lento a repreender e sem ressentimento. 

 

No final desta oração, pede a Deus que te ajude a não estares sempre a repreender ou criticar. Mesmo que seja só interiormente. Pede a Deus que te ajude a estares contente contigo. Em geral, se estamos contentes connosco, criticamos menos os outros. Fala com Deus sobre isso. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.