Sexta-feira da vigésima primeira semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e seis de agosto, sexta-feira da vigésima primeira semana do Tempo Comum.

Deixa o teu coração repousar em Deus. 
Apresenta-Lhe essa multidão de pequenas e grandes coisas
que preenchem o teu dia... 
essas coisas que às vezes te magoam, outras vezes te enraivecem... 
Leva-Lhe também os teus pecados, 
esses que ninguém conhece, apenas tu... 
Assim carregado, 
deixa o teu coração repousar em Deus... e começa a tua oração.

 

Escuta esta passagem da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios. [L1 1 Cor 1, 17-25]

Cristo não me enviou para batizar,
mas para anunciar o Evangelho,
não, porém, com a sabedoria da linguagem,
a fim de não se desvirtuar a cruz de Cristo.
Porque a linguagem da cruz é loucura
para aqueles que estão no caminho da perdição,
mas é poder de Deus
para aqueles que seguem o caminho da salvação, isto é, para nós.
Na verdade, assim está escrito:
«Hei de arruinar a sabedoria dos sábios
e frustrar a inteligência dos inteligentes».
Onde está o sábio? Onde está o homem culto?
Onde está o que discute sobre as coisas deste mundo?
Porventura Deus não tornou louca a sabedoria do mundo?
Uma vez que o mundo, por meio da sua sabedoria,
não reconheceu a Deus na sabedoria divina,
aprouve a Deus salvar os crentes
pela loucura da mensagem que pregamos.
Os judeus pedem milagres
e os gregos procuram a sabedoria.
Quanto a nós, pregamos Cristo crucificado,
escândalo para os judeus e loucura para os gentios. 
Mas para aqueles que são chamados, tanto judeus como gregos,
Cristo é poder de Deus e sabedoria de Deus.
A loucura de Deus é mais sábia do que o homem
e a fraqueza de Deus é mais forte do que o homem.

 

Pontos de oração

O contraponto entre a sabedoria da linguagem e a loucura da cruz não tem a ver com desprezo pela ciência ou a cultura humanas. Trata-se da absolutização desses valores que acabam por se transformar em ídolos. 

A cruz de Cristo, ou melhor, “Cristo crucificado”, é o Evangelho de Paulo. Aprendeu, muito à sua custa, a sofrer desaires e fracassos. Cristo crucificado tornou-se, para ele, uma âncora lançada para o Céu. E para ti?

Anunciar um Messias crucificado, obstáculo intransponível para os judeus; e para os não-judeus, insensatez completa. Apesar disso, a sabedoria de Deus, isto é, a sua “fraqueza”, era “mais forte”. Em que escola se aprende esta ciência?

 

Colóquio final

Não há alegria verdadeira sem cruz. Mas não confundas. Há muitas cruzes que não são a Cruz de Cristo. Esta é unicamente a que tu aceitas por amor.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.