Sexta-feira, memória litúrgica de Santa Escolástica

Hoje é dia dez de fevereiro, sexta-feira, memória litúrgica de Santa Escolástica.

Hoje, a Igreja celebra a memória de Santa Escolástica,
irmã de São Bento, que viveram no século sexto.
Juntos, marcaram a história da Igreja e da Europa, 
graças à enorme riqueza espiritual e cultural
das comunidades monásticas que fundaram.
Celebrar a memória dos santos
é celebrar uma tradição de fidelidade à vontade de Deus
no meio das tribulações e acontecimentos dos séculos.
Agradece esta história que chega hoje até ti,
sente-te membro dela, continua a escrevê-la.
E começa assim a tua oração.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Marcos. [Ev Mc 7, 31-37]

Jesus deixou de novo a região de Tiro
e, passando por Sidónia, veio para o mar da Galileia,
atravessando o território da Decápole.
Trouxeram-Lhe então um surdo que mal podia falar
e suplicaram-Lhe que impusesse as mãos sobre ele.
Jesus, afastando-Se com ele da multidão,
meteu-lhe os dedos nos ouvidos
e com saliva tocou-lhe a língua.
Depois, erguendo os olhos ao Céu,
suspirou e disse-lhe:
«Effathá», que quer dizer «Abre-te».
Imediatamente se abriram os ouvidos do homem,
soltou-se-lhe a prisão da língua
e começou a falar corretamente.
Jesus recomendou que não contassem nada a ninguém.
Mas, quanto mais lho recomendava,
tanto mais intensamente eles o apregoavam.
Cheios de assombro, diziam:
«Tudo o que faz é admirável:
faz que os surdos oiçam e que os mudos falem».

 

Pontos de oração

Na região da Decápole, Jesus cura um surdo-mudo. Superando as fronteiras da mentalidade judaica, acolhe um estrangeiro e transforma a sua vida. 
À nossa volta também há pessoas com quem temos pouca sintonia e proximidade. Jesus pede para irmos ao seu encontro, para partilharmos as suas dores e dificuldades. 

Jesus abre os ouvidos do surdo e restitui-lhe a capacidade para falar. Mais do que uma doença física, está em causa a capacidade de ouvirmos o mundo com outro som... 
Que insensibilidades te impedem de ouvir a voz de Deus? O que gostavas de Lhe dizer e nunca conseguiste verbalizar? 

Ao escutares novamente o Evangelho, repara como a multidão que traz o surdo queria ver um espetáculo. Mas Jesus, para realizar a cura, afasta-Se para rezar com ele. Os verdadeiros milagres acontecem longe dos olhares do mundo, no silêncio da oração.

 

Colóquio final

Jesus pede para não contarem o que aconteceu. Não quer confundir aqueles que andam à procura de uma vida fácil. Mas é impossível calar a alegria do encontro com Jesus.
Termina este tempo de oração pedindo a graça de testemunhares no dia a dia a alegria de seres discípulo de Jesus. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.