Sexta-feira, memória litúrgica de São Carlos Borromeu

Hoje é dia quatro de Novembro, sexta-feira, memória litúrgica de São Carlos Borromeu. 

É o Senhor quem te guarda. 
Só Ele cuida verdadeiramente da tua vida. 
Nem tu consegues ser tão cuidadoso contigo, 
porque só Ele te conhece totalmente. 
Dá graças ao Senhor por este cuidado constante, 
pela sua infinita bondade, que preenche os teus dias... 
Assim, vale a pena começares a tua oração.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 16, 1-8]

Disse Jesus aos seus discípulos:
«Um homem rico tinha um administrador
que foi denunciado por andar a desperdiçar os seus bens. 
Mandou chamá-lo e disse-lhe:
‘Que é isto que ouço dizer de ti?
Presta contas da tua administração,
porque já não podes continuar a administrar’.
O administrador disse consigo:
‘Que hei-de fazer,
agora que o meu senhor me vai tirar a administração? 
Para cavar não tenho forças, de mendigar tenho vergonha. 
Já sei o que hei-de fazer,
para que, ao ser despedido da administração,
alguém me receba em sua casa’.
Mandou chamar um por um os devedores do seu senhor
e disse ao primeiro:
‘Quanto deves ao meu senhor?’.
Ele respondeu: ‘Cem talhas de azeite’.
O administrador disse-lhe:
‘Toma a tua conta: senta-te depressa e escreve cinquenta’. 
A seguir disse a outro: ‘E tu quanto deves?’
Ele respondeu: ‘Cem medidas de trigo’.
Disse-lhe o administrador:
‘Toma a tua conta e escreve oitenta’.
E o senhor elogiou o administrador desonesto,
por ter procedido com esperteza.
De facto, os  filhos deste mundo
são mais espertos do que os  filhos da luz,
no trato com os seus semelhantes».

 

Pontos de oração

O Evangelho de hoje apresenta-nos um caso de corrupção no mundo do trabalho. O patrão descobriu a fraude e decidiu despedir o administrador desonesto. Quando Deus se torna presente na vida de uma pessoa, de repente tudo muda. A pessoa terá que tomar uma decisão. Não pode seguir dois caminhos simultaneamente.
Tens Deus presente nas tuas decisões?

O administrador analisa uma por uma as alternativas que tem para sobreviver. O critério da sua ação não é a justiça, mas o seu próprio interesse. Sabe calcular bem as coisas e sabe encontrar uma saída para os seus problemas. E Jesus elogia a esperteza do administrador. Dentro de uma total falta de ética, ele foi coerente. As tuas ações coincidem com as tuas palavras?

Ao escutares de novo este evangelho, apercebes-te que Jesus convida os seus amigos a serem também espertos na resolução dos problemas. Mas os critérios serão os do Reino da justiça e da paz.

 

Colóquio final

Ao terminares a tua oração, pede ao Senhor que te ilumine nas tuas decisões e te ensine os caminhos do Reino. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.