Terça-feira da décima oitava semana do tempo comum

Hoje é dia dois de agosto, terça-feira da décima oitava semana do tempo comum. 

Agora que começas a tua oração, toma consciência daquilo que te move. 
Que desejos te trazem à oração? De quem vens à procura? 
Talvez ainda estejas com o coração demasiado preocupado com as tuas coisas... vens, talvez, à procura de soluções e não estando disponível para acolher o Senhor com toda a  liberdade. 
Entrega tudo nas mãos de Jesus, os teus desejos..., as tuas dificuldades..., as tuas alegrias e as tuas conquistas... Coloca tudo nas suas mãos e pede-Lhe a graça de um coração livre, pronto e disponível para Ele. Assim, vale a pena começares a tua oração.  

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo são Mateus. [Ev Mt, 14, 22-36]

Depois de ter saciado a fome à multidão,
Jesus obrigou os discípulos a subir para o barco e a esperá-Lo na outra margem,
enquanto Ele despedia a multidão.
Logo que a despediu,
subiu a um monte, para orar a sós.
Ao cair da tarde, estava ali sozinho.
O barco ia já no meio do mar,
açoitado pelas ondas, pois o vento era contrário. 
Na quarta vigília da noite,
Jesus foi ter com eles, caminhando sobre o mar. 
Os discípulos, vendo-O a caminhar sobre o mar, 
assustaram-se, pensando que fosse um fantasma. 
E gritaram cheios de medo.
Mas logo Jesus lhes dirigiu a palavra, dizendo: 
«Tende confiança. Sou Eu. Não temais». 
Respondeu-Lhe Pedro: 
«Se és Tu, Senhor, manda-me ir ter contigo sobre as águas». 
«Vem!» – disse Jesus.
Então, Pedro desceu do barco e caminhou sobre as águas, para ir ter com Jesus.
Mas, sentindo a violência do vento e começando a afundar-se, 
gritou: «Salva-me, Senhor!».
Jesus estendeu-lhe logo a mão e segurou-o.
Depois disse-lhe:
«Homem de pouca fé, porque duvidaste?».
Logo que subiram para o barco, o vento amainou.
Então, os que estavam no barco prostraram-se diante de Jesus e disseram-Lhe:
«Tu és verdadeiramente o Filho de Deus». 
Depois fizeram a travessia
e vieram para terra em Genesaré.
Os homens do lugar reconheceram Jesus e mandaram avisar toda aquela região.
Trouxeram-Lhe todos os doentes
e pediam que os deixasse tocar ao menos na orla do seu manto. 
E quantos lhe tocaram foram completamente curados.

 

Pontos de oração

Depois de ter saciado a fome à multidão, ou seja, depois de ter realizado a sua Missão, Jesus separou-Se dos discípulos e subiu a um monte para ficar sozinho. Ele tem uma grande necessidade de Se encontrar com o Pai num diálogo íntimo e profundo, que alimenta toda a sua vida e só acontece no silêncio.

Disse-lhe Jesus: “Tem confiança. Sou Eu. Não temas”. Respondeu-Lhe Pedro: “Se és Tu, Senhor, manda-me ir ter contigo sobre as águas”. “Vem!”. 
Este diálogo pode acontecer contigo, nas alturas em que a tua vida seja um mar agitado, ou em momentos em que o vento te sopra contrário. 

Vais ouvir de novo a passagem do Evangelho. Imagina-te na barca, no lugar de Pedro. Imagina também o Senhor a ir ter contigo andando sobre as águas. Confias que, com o Senhor, nada te pode acontecer?

 

Colóquio final

Ouve a voz do Senhor a sussurrar-te ao ouvido: “Não tenhas medo, sou Eu... Vem”! Ou seja: “Estou aqui”. Tenta levar estas palavras de Jesus para a tua vida e faz um ato de  fé: o Senhor não te larga a mão nos vales mais tenebrosos da tua vida.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.