Terça-feira da décima segunda semana do tempo comum

Hoje é dia vinte e cinco de junho, terça-feira da décima segunda semana do tempo comum.

É um mistério nunca bastante meditado e menos ainda assumido: a bondade de Deus a envolver cada uma das suas criaturas, de modo particular cada ser humano, sua imagem e semelhança. Medita, por momentos, nesta realidade extraordinária. Deixa-te mergulhar, envolver nesta imensidão de bondade que não abafa, antes liberta o teu coração para amar mais e melhor. E começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 7, 6.12-14]

Jesus disse aos seus discípulos: «Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis aos porcos as vossas pérolas, não vão eles calcá-las aos pés e voltar-se para vos despedaçarem. Tudo quanto quiserdes que os homens vos façam fazei-o também a eles, pois nisto consiste a Lei e os Profetas. Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que leva à perdição e muitos são os que seguem por eles. Como é estreita a porta e apertado o caminho que conduz à vida e como são poucos aqueles que os encontram!».

O que é santo pode significar, neste contexto, as oferendas consagradas a Deus. Como se disséssemos, não só as coisas boas, mas sobretudo, as mais valiosas. Seria insensato desperdiçar, por exemplo, as qualidades, deitá-las fora por preguiça ou desinteresse…

“Tudo quanto quiserdes que os homens vos façam, fazei-o também a eles". Jesus recupera esta “regra de ouro” pela positiva – Fazei! – e coloca-a no topo da perfeição: “Nisto consiste a Lei e os Profetas”. Que mais é preciso para ser santo? Queres ser?

As duas portas, a encruzilhada que é a nossa vida. Qual escolher? Discernir segundo os critérios das Bem-aventuranças o que Deus quer para ti, aqui e agora. Aprofundar a “porta estreita” é abraçar, estreitar, apertar cada vez mais Jesus ao teu coração.

O Senhor é o caminho, a verdade e a vida. É a porta das ovelhas, o redil do pastor, o alimento saboroso da Eucaristia. Pede-Lhe que te dê sempre desse pão e da água que brota do lado rasgado do seu peito.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.