Terça-feira da décima terceira semana do Tempo Comum

Hoje é dia vinte e oito de julho, terça-feira da décima terceira semana do Tempo Comum.

Toma consciência de que Deus está contigo. 
O íntimo do teu coração não é o lugar de uma solidão isolada, mas de um encontro de amor. O Senhor precisa que tu Lhe abras as portas para que Ele possa entrar. 
Não precisas fazer nada. Basta que te deixes amar por Aquele que dá a vida por ti. 
Deixa que seja Ele quem te conduz... 
Assim, vale a pena começares a tua oração.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 8, 23-27]

Jesus subiu para o barco
e os discípulos acompanharam-No.
Entretanto, levantou-se no mar tão grande tormenta
que as ondas cobriam o barco.
Jesus dormia.
Aproximaram-se os discípulos e acordaram-No, dizendo: 
«Salva-nos, Senhor, que estamos perdidos».
Disse-lhes Jesus:
«Porque temeis, homens de pouca fé?».
Então levantou-Se, falou imperiosamente ao vento e ao mar
e fez-se grande bonança.
Os homens ficaram admirados e disseram:
«Quem é este homem,
que até o vento e o mar Lhe obedecem?».

 

Pontos de oração

O Evangelho traz-nos o que poderia ser o retrato de alguma situação de crise. E dá-nos uma luz: mesmo aí, mesmo nessa situação tão exigente, também o teu choro e o teu grito são formas de rezar. Guarda isto no teu coração e assim preparas-te para fazer do deserto e da tempestade um lugar sagrado, uma capela, um templo de Deus. 

Quando perceberes que, mesmo na maior solidão, na maior dor, perante o abismo que é a sensação de absoluta ausência de Deus, quando perceberes que mesmo aí está Deus, então estarás preparado para atravessar tudo o que a vida te trouxer. 

Jesus dorme, acorda, pergunta o que se passa e domina as forças da natureza.
Ao ouvir de novo o Evangelho, repara na versatilidade do Senhor: em pouco tempo, assume atitudes tão diferentes; e o elemento contínuo é que está sempre presente. 

 

Colóquio final

Jesus chama “homens de pouca fé” aos seus discípulos. Não te admires se Ele te chamar o mesmo, aqui e ali. Pede ao Senhor que fortaleça a tua fé, para que seja “como um grão de mostarda”, que há de crescer, tornar-se árvore e verá as aves do céu pousar nos seus ramos! 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.