Terça-feira da décima terceira semana do tempo comum

Hoje é dia dois de julho, terça-feira da décima terceira semana do tempo comum.

Cada um reza como é, com os seus defeitos e virtudes. Pode dizer-se que cada um reza sozinho, mesmo quando o faz durante uma celebração litúrgica. A oração é esse diálogo único entre cada um e Deus, umas vezes mais grito de súplica, outras mais cântico de louvor; umas vezes mais angustiada, outras mais marcada pelas cores da alegria... Dá lugar ao que sentes neste momento... Dá lugar à tua verdade diante de Deus... e começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 8, 23-27]

Jesus subiu para o barco e os discípulos acompanharam-No. Entretanto, levantou-se no mar tão grande tormenta que as ondas cobriam o barco. Jesus dormia. Aproximaram-se os discípulos e acordaram-No, dizendo: «Salva-nos, Senhor, que estamos perdidos». Disse-lhes Jesus: «Porque temeis, homens de pouca fé?». Então levantou-Se, falou imperiosamente ao vento e ao mar e fez-se grande bonança. Os homens ficaram admirados e disseram: «Quem é este homem, que até o vento e o mar Lhe obedecem?».

Nas tempestades da vida, da alma, da família, da Igreja, a primeira coisa a fazer é clamar por Jesus: “Senhor, salva-nos”. Clama por Ele com insistência, mesmo se te parece que não te ouve, que está a dormir. Os gritos do coração acordam-No. Pode talvez demorar, mas virá certamente em teu auxílio.

A censura que Jesus faz aos Apóstolos, pode fazê-la a cada um de nós, a ti também: "gente de pouca fé". Como é a tua fé em Jesus? Tem crescido e amadurecido?

Ouve com o coração o texto do Evangelho e anima-te, pede a graça de não temer e de crescer na fé.

Suplica a Jesus: “Senhor, que eu não tema. Senhor, aumenta a minha fé”.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.