Terça-feira da oitava semana do tempo comum

Hoje é dia vinte e quatro de maio, terça-feira da oitava semana do tempo comum. 

Vais encontrar Jesus, o teu Senhor. 
Abre o teu coração para que Ele possa entrar e fazer de ti a sua morada. 
Não lhe escondas as tuas feridas nem alguma coisa de ti que não gostes. Mostra-lhe a tua verdade, sabendo que Ele só quer a tua felicidade. 
Só Ele te pode mostrar o caminho da verdadeira Paz.
Confia! Assim, vale a pena começares a tua oração.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Marcos. [Ev Mc 10, 28-31]
 
Pedro começou a dizer a Jesus:
«Vê como nós deixámos tudo para Te seguir».
Jesus respondeu:
«Em verdade vos digo:
Todo aquele que tiver deixado casa,
irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos ou terras,
por minha causa e por causa do Evangelho,
receberá cem vezes mais, já neste mundo,
em casas, irmãos, irmãs, mães, filhos e terras,
juntamente com perseguições,
e, no mundo futuro, a vida eterna.
Muitos dos primeiros serão os últimos
e muitos dos últimos serão os primeiros».

 

Pontos de oração

O Apóstolo Pedro dirige-se a Jesus, alegre por ter deixado tudo para O seguir. Este “tudo” assusta muita gente, como se o seguimento implicasse um corte radical com a família, os amigos e os bens materiais. 
O que está aqui em causa é a alegria de não se deixar prender pelo que impede a verdadeira liberdade.

Jesus diz-nos para termos cuidado com as dependências afetivas, com aquelas relações que nos condicionam a vida. Muitas vezes, vivemos a agradar aos outros. Ou, então, influenciados pelo que pensam ou esperam de nós. 
Que pessoas ou circunstâncias te prendem e amarram? 
O que é que não te deixa ser livre?

O convite de Jesus a uma vida autêntica é exigente. Tem a sua recompensa própria, mas não é para os de ânimo leve. Quem deixa tudo, receberá cem vezes mais.
Ao escutares pela segunda vez o Evangelho, deixa-te interpelar pelas palavras de Jesus.

 

Colóquio final

Diz-nos Jesus: «Muitos dos primeiros serão os últimos e muitos dos últimos serão os primeiros». 
De que lado te encontras? Dos que querem ficar sempre por cima e vencer a qualquer custo? Ou dos que partilham o que têm, defendem a justiça e promovem a paz?

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.