Terça-feira da quarta semana da Quaresma

Hoje é dia treze de março, terça-feira da quarta semana da Quaresma.

Hoje, começa a tua oração
com o eco destas palavras de Charles de Foucauld,
mártir francês do início do século vinte:
«A oração é uma conversa com Deus, 
um grito da alma dirigido a Deus. 
Deve ser portanto algo de absolutamente natural, 
a expressão mais profunda do coração. 
Os lábios não precisam de intervir; 
o que tem necessariamente de intervir é o espírito e a vontade… 
Manifestares e comunicares ao Pai a tua vontade
com toda a verdade, nudez, sinceridade e simplicidade, 
isso é que é orar». 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São João. [Ev Jo 5, 1-3a.5-16].

Por ocasião de uma festa dos judeus, Jesus subiu a Jerusalém.
Existe em Jerusalém, junto à porta das ovelhas,
uma piscina, chamada, em hebraico, Betsatá, que tem cinco pórticos.
Ali jazia um grande número de enfermos,
cegos, coxos e paralíticos.
Estava ali também um homem, enfermo havia trinta e oito anos.
Ao vê-lo deitado e sabendo que estava assim há muito tempo,
Jesus perguntou-lhe:
«Queres ser curado?»
O enfermo respondeu-Lhe:
«Senhor, não tenho ninguém que me introduza na piscina,
quando a água é agitada; enquanto eu vou, outro desce antes de mim».
Disse-lhe Jesus:
«Levanta-te, toma a tua enxerga e anda».
No mesmo instante o homem ficou são,
tomou a sua enxerga e começou a caminhar.
Ora aquele dia era sábado.
Diziam os judeus àquele que tinha sido curado:
«Hoje é sábado: não podes levar a tua enxerga».
Mas ele respondeu-lhes:
«Aquele que me curou disse-me: ‘Toma a tua enxerga e anda’».
Perguntaram-lhe então:
«Quem é que te disse: ‘Toma a tua enxerga e anda’».
Mas o homem que tinha sido curado não sabia quem era,
porque Jesus tinha-Se afastado da multidão que estava naquele local.
Mais tarde, Jesus encontrou-o no templo e disse-lhe:
«Agora estás são. Não voltes a pecar, para que não te suceda coisa pior».
O homem foi então dizer aos judeus
que era Jesus quem o tinha curado.
Desde então os judeus começaram a perseguir Jesus,
por fazer isto num dia de sábado. 

 

«Queres ser curado?». A pergunta de Jesus parece uma provocação. Alguém poderia dizer que não? Jesus pede uma resposta livre, na primeira pessoa. 
Queres mesmo que Jesus te cure de comodismos e de falsas seguranças? Dispõe-te a responder humildemente e em verdade. 

Os homens que interrogam o doente curado por Jesus têm um olhar míope. Prendem-se à pequenez da letra, escapa-lhes a grandeza do milagre, a força libertadora da ação de Deus. 
A quantas pequenas coisas te deixas prender, escapando-te a presença sanadora de Deus? 

Ouve, uma vez mais, o texto de São João e repara como o gesto libertador de Jesus é incómodo, gerando atitudes de desconfiança. Recorda as vezes em que desconfiaste da bondade de alguém. 

Pede a Deus a libertação das tuas paralisias. Se for caso disso, decide-te diante do Senhor a celebrar o sacramento da Reconciliação. 

 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.