Terça-feira da trigésima primeira semana do Tempo Comum

Hoje é dia sete de novembro, terça-feira da trigésima primeira semana do Tempo Comum.

Hoje, começa a tua oração
escutando estes versos da poetisa norte-americana
Maya Angelou:
«Se formos corajosos,
o amor atira fora as correntes do medo
das nossas almas.
Desabituados da nossa timidez
com a onda de luz do amor
passamos a ser corajosos
e a ver
que o amor custa tudo o que somos
e o que viremos a ser,
pois só o amor
nos liberta». 

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 14, 15-24]

Disse a Jesus um dos que estavam com Ele à mesa:
«Feliz de quem tomar parte no banquete do reino de Deus».
Respondeu-lhe Jesus:
«Certo homem preparou um grande banquete
e convidou muita gente.
À hora do festim, enviou um servo para dizer aos convidados:
‘Vinde, que está tudo pronto’.
Mas todos eles se foram desculpando.
O primeiro disse:
‘Comprei um campo e preciso de ir vê-lo.
Peço-te que me dispenses’.
Outro disse:
‘Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las.
Peço-te que me dispenses’.
E outro disse:
‘Casei-me e por isso não posso ir’.
Ao voltar, o servo contou tudo isso ao seu senhor.
Então o dono da casa indignou-se e disse ao servo:
‘Vai depressa pelas praças e ruas da cidade
e traz para aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos’.
No fim, o servo disse:
‘Senhor, as tuas ordens foram cumpridas, mas ainda há lugar’.
O dono da casa disse então ao servo:
‘Vai pelos caminhos e azinhagas
e obriga toda a gente a entrar,
para que a minha casa fique cheia.
Porque eu vos digo que nenhum daqueles que foram convidados
provará do meu banquete’». 

 

Pontos de oração

Desculpas de mau pagador. Os convidados inventam razões. Todos fazemos o mesmo, uma ou outra vez. Mas Deus não desiste. Quer a sua casa cheia. 
Ouves, aceitas, fazes festa com Ele, participas no grande banquete do Pai? 

É tão grande o desejo do homem da parábola, que ordena ao seu servo que obrigue toda a gente a entrar. Quanto maior não será a vontade do Senhor Jesus? A doação total da sua vida, oferecida em alimento na Eucaristia!

Traz para aqui os pobres. Não venhas só. Vai às encruzilhadas, às periferias, ao encontro das vidas destroçadas. Põe-te ao serviço da Palavra que é Jesus. É por Ele que a Festa vale a pena.

 

Colóquio final

Pai nosso, quantas mentiras para não Te amar, quantos medos para não Te ouvir!
Pede ao Senhor que te ensine a ser como Jesus, que sempre Se alegra em fazer o que agrada ao Pai e em partilhar essa alegria com os pequeninos.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.