Terça-feira da vigésima quarta semana do Tempo Comum

Hoje é dia treze de setembro, terça-feira da vigésima quarta semana do Tempo Comum.

Diante de Deus, 
deixa o teu coração falar do que leva dentro. 
Talvez leve menos coisas boas do que desejas
e mais sentimentos negativos do que é teu desejo. 
Se te sentes assim, 
assume os pesos que levas contigo
e entrega-os ao Senhor. 
Não te desculpes. 
Simplesmente, entrega e entrega-te... 
e deixa que o Senhor refaça o teu coração à imagem do seu...

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 7, 11-17]

Jesus dirigia-Se para uma cidade chamada Naim; 
iam com Ele os seus discípulos e uma grande multidão. 
Quando chegou à porta da cidade, 
levavam um defunto a sepultar, 
filho único de sua mãe, que era viúva. 
Vinha com ela muita gente da cidade. 
Ao vê-la, o Senhor compadeceu-Se dela e disse-lhe: 
«Não chores». 
Jesus aproximou-Se e tocou no caixão; 
e os que o transportavam pararam. 
Disse Jesus: 
«Jovem, Eu te ordeno: levanta-te». 
O morto sentou-se e começou a falar; 
e Jesus entregou-o à sua mãe. 
Todos se encheram de temor e davam glória a Deus, dizendo: 
«Apareceu no meio de nós um grande profeta; 
Deus visitou o seu povo». 
E a fama deste acontecimento
espalhou-se por toda a Judeia e pelas regiões vizinhas.

 

Pontos de oração

Jesus inteira-se que tinha morrido o filho único duma viúva, seu único apoio para a velhice. Só, abandonada, desamparada em todos os sentidos. Jesus esquece-Se de tudo o mais para Se centrar exclusivamente nela.

Com que facilidade mudas o teu foco de atenção, perante os desafios e prioridades de cada momento? 

Jesus assume o drama desta mulher – e o teu drama. Compadece-Se. Procura consolar a mulher. Aproxima-Se, toca o caixão e fala imperiosamente ao morto, trazendo-o de volta à vida. 
Jesus entra também assim no teu drama, para te resgatar… 

Escuta uma segunda vez o Evangelho. «Apareceu no meio de nós um grande profeta; Deus visitou o seu povo». 
Jesus é, sem dúvida, alguém misterioso, fascinante e tremendo, que tem uma última palavra, inclusive a respeito da morte! Mas é também extremamente simples e delicado no modo como restitui o jovem à mãe...

 

Colóquio final

Pede ao Senhor um coração misericordioso e atento aos que mais sofrem, que se expressa em pequenos gestos, mas de grande humanidade e com a marca do divino. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.