Terça-feira da vigésima quarta semana do tempo comum

Hoje é dia dezassete de setembro, terça-feira da vigésima quarta semana do tempo comum.

Procura que estes momentos iniciais da tua oração sejam tempo de silêncio interior e de paz. É importante cultivar este desejo, mesmo se não te sentes capaz de o pôr em prática, perante as muitas preocupações do teu dia. Se isso acontecer, se não conseguires a paz interior que desejas, não te deixes abater. Entrega ao Senhor o tumulto que te invade e perturba. E começa assim a tua oração.

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 7, 11-17]

Jesus dirigia-Se para uma cidade chamada Naim; iam com Ele os seus discípulos e uma grande multidão. Quando chegou à porta da cidade, levavam um defunto a sepultar, filho único de sua mãe, que era viúva. Vinha com ela muita gente da cidade. Ao vê-la, o Senhor compadeceu-Se dela e disse-lhe: «Não chores». Jesus aproximou-Se e tocou no caixão; e os que o transportavam pararam. Disse Jesus: «Jovem, Eu te ordeno: levanta-te». O morto sentou-se e começou a falar; e Jesus entregou-o à sua mãe. Todos se encheram de temor e davam glória a Deus, dizendo: «Apareceu no meio de nós um grande profeta; Deus visitou o seu povo». E a fama deste acontecimento espalhou-se por toda a Judeia e pelas regiões vizinhas.

Difícil conceber sofrimento maior que o da viúva de Naim, no momento em que levam a enterrar o seu filho único. Mulher, viúva e agora acaba de perder o seu único apoio. Extremo de solidão. A mulher perdeu tudo o que possuía, quase se tornando uma sombra ou mesmo ninguém. E a própria multidão que a comprime, será verdadeiramente solidária ou limita-se a carpir mágoas alheias?

A fama de Jesus vai-se espalhando. A multidão acorre para O ver. Mas Jesus não Se deixa levar pelo êxito garantido que O aguarda. Pelo contrário, repara compadecido na viúva de Naim – abstrai de todo o tumulto de gente, como se em cena só estivesse Ele e a viúva. Jesus quer fazer o mesmo contigo. E tu, queres ficar a sós com Ele?

Escuta novamente o Evangelho. Jesus faz-Se sempre mais próximo: não se limita a procurar consolar a viúva, dando-lhe as condolências, mas toca o caixão, arranca o jovem à morte, entrega-o à mãe e toda a multidão prorrompe a glorificar a Deus!

Pede ao Senhor a graça de estares sempre atento aos que mais sofrem. Que mesmo um eventual sucesso que possas conhecer na vida nunca te deixe esquecer os mais necessitados.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.