Terça-feira da vigésima terceira semana do Tempo Comum

Hoje é dia doze de setembro, terça-feira da vigésima terceira semana do Tempo Comum.

Com que imagem podemos comparar
o mistério da nossa vida?
Será uma construção,
cujos espaços e alicerces nos são oferecidos,
como um dom a acolher e a partilhar?
Hoje, começa a tua oração
com estas palavras de Santo André,
bispo de Creta no século oitavo:
«Acolhe, elevando as mãos,
Aquele que nas suas próprias mãos
traçou as linhas das tuas muralhas.
Recebe Aquele que nas palmas das suas mãos
lançou os teus alicerces.
Recebe Aquele que assumiu em Si
tudo o que é nosso, menos o pecado,
para nos dar tudo o que é seu».

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Lucas. [Ev Lc 6, 12-19]

Jesus subiu ao monte para rezar
e passou a noite em oração a Deus.
Quando amanheceu, chamou os discípulos
e escolheu doze entre eles, a quem deu o nome de apóstolos:
Simão, a quem deu também o nome de Pedro,
e seu irmão André;
Tiago e João; Filipe e Bartolomeu, Mateus e Tomé;
Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado o Zelota;
Judas, irmão de Tiago, e Judas Iscariotes,
que veio a ser o traidor.
Depois desceu com eles do monte e deteve-Se num sítio plano,
com numerosos discípulos e uma grande multidão de pessoas
de toda a Judeia, de Jerusalém e do litoral de Tiro e de Sidónia.
Tinham vindo para ouvir Jesus
e serem curados das suas doenças.
Os que eram atormentados por espíritos impuros
também ficavam curados.
Toda a multidão procurava tocar Jesus,
porque saía d’Ele uma força que a todos sarava. 

 

Pontos de oração

Jesus subiu ao monte. Encontrou-se na intimidade com o Pai para discernir a missão e em comunhão com o Pai escolheu os Doze. 
Deus também te escolhe. E essa escolha é fruto de amor e cuidado. Dispõe-te a aceitar este convite. 

Ao escolher-te, o Senhor expressa a sua confiança em ti. Dá-te a força de que precisas para viver a tua missão. Alegra-te porque o Senhor te envia. 

Repara como os discípulos acompanham Jesus e aprendem com Ele. Deixa-te inspirar pelos gestos do Senhor. 

 

Colóquio final

Ao terminares a oração, pede a graça de não viveres por conta própria, mas de fazeres cada coisa em nome de Jesus. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.