Terça-feira, memória litúrgica de Santa Mónica

Hoje é dia vinte e sete de agosto, terça-feira, memória litúrgica de Santa Mónica.

Santa Mónica, que a Igreja hoje recorda, é um exemplo de perseverança e humildade. Nas condições do seu tempo, no século quarto, viveu com sabedoria e fidelidade a vida matrimonial, ajudando o marido a mudar comportamentos enraizados na cultura do tempo e, até, a fazer-se cristão. Consciente da sua missão de mãe, ajudou os filhos a crescer na fé, rezando e chorando sobretudo por causa do filho Agostinho, que vivia longe da fé cristã – e teve a felicidade de o ver batizado e discípulo fiel do Senhor Jesus. Agradece ao Senhor este exemplo que te chega de tempos tão distantes e te mostra o caminho do seguimento de Cristo... e começa assim a tua oração

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Mateus. [Ev Mt 23, 23-26]

Disse Jesus: «Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas, porque pagais o dízimo da hortelã, do funcho e do cominho, mas omitis as coisas mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fidelidade. Devíeis praticar estas coisas, sem omitir as outras. Guias cegos! Coais o mosquito e engolis o camelo. Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, que por dentro estão cheios de rapina e intemperança. Fariseu cego! Limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o exterior fique limpo».

Jesus fica profundamente magoado sempre que tu dizes uma coisa e fazes outra, ou quando dizes uma coisa pela frente e outra por trás. Assim fazem os fariseus. Jesus era totalmente coerente nas palavras e no modo de viver e não gosta que tenhas uma vida fingida, que digas palavras mentirosas.

O Senhor zanga-Se quando pões de lado as coisas mais importantes da sua Lei: a JUSTIÇA, a MISERICÓRDIA, a FIDELIDADE e a VERDADE. És justo no que dizes? E no que pensas? Como vives a fidelidade? A fidelidade para com Deus, para com os amigos e na tua vocação?

O texto é curto, mas é sério e muito forte quando se trata de uma vida de mentira. Ai de ti, repete Jesus vezes sem conta! Ai de ti! Fecha os olhos e imagina a voz do Senhor a dizer-te: Ai de ti… O que sentes? Qual será a razão pela qual Jesus te diz: “Ai de ti”?

Faz silêncio e pensa na tua vida. Entrega tudo ao teu Deus, entrega-te na totalidade. Mostra-Lhe o que te atormenta. A tua mudança começará de dentro para fora e então sentirás a alegria e a paz do abraço que nunca imaginaste receber. Passarás a irradiar a Paz que te vem da Justiça, da Misericórdia, da Fidelidade e da Verdade.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.