Terça-feira, memória litúrgica do martírio de São João Batista

Hoje é dia vinte e nove de agosto, terça-feira, memória litúrgica do martírio de São João Batista.

Que força têm o deserto, a voz,
o batismo na água,
a pregação?
Qual o poder das suas armas de paz,
das suas multidões em busca de esperança,
dos seus templos a céu aberto?
Este é o testemunho intemporal
daqueles que entregam a sua vida
em nome da verdade de Deus:
o seu sacrifício não é em vão.
Que a tua oração seja sempre o caminho
da entrega da tua vida.

 

Escuta esta passagem do Evangelho segundo São Marcos. [Ev Mc 6, 17-29]

Naquele tempo, o rei Herodes mandara prender João
e algemá-lo no cárcere, por causa de Herodíades, 
a mulher do seu irmão Filipe, que ele tinha tomado por esposa.
João dizia a Herodes:
«Não podes ter contigo a mulher do teu irmão».
Herodíades odiava João Baptista
e queria dar-lhe a morte, mas não podia,
porque Herodes respeitava João,
sabendo que era justo e santo, e por isso o protegia.
Quando o ouvia, ficava perturbado, mas escutava-o com prazer.
Entretanto, chegou um dia oportuno,
quando Herodes, no seu aniversário natalício,
ofereceu um banquete aos grandes da corte,
aos oficiais e às principais personalidades da Galileia.
Entrou então a filha de Herodíades,
que dançou e agradou a Herodes e aos convidados.
O rei disse à jovem: «Pede-me o que desejares e eu to darei».
E fez este juramento: «Dar-te-ei o que me pedires,
ainda que seja a metade do meu reino».
Ela saiu e perguntou à mãe: «Que hei-de pedir?».
A mãe respondeu-lhe: «Pede a cabeça de João Baptista».
Ela voltou apressadamente à presença do rei e fez-lhe este pedido:
«Quero que me dês sem demora, num prato, a cabeça de João Baptista».
O rei ficou consternado, mas por causa do juramento e dos convidados,
não quis recusar o pedido.
E mandou imediatamente um guarda,
com ordem de trazer a cabeça de João.
O guarda foi à cadeia, cortou a cabeça de João e trouxe-a num prato.
A jovem recebeu-a e entregou-a à mãe.
Quando os discípulos de João souberam a notícia,
foram buscar o seu cadáver e deram-lhe sepultura. 

 

Pontos de oração

Celebramos hoje o martírio de São João Baptista. 
João censurava ao rei Herodes a sua conduta desonesta e imoral. Tornou-se, por isso, objeto do ódio de Herodíades, a mulher do rei – e foi decapitado.
A coerência de João trouxe-lhe a perseguição e a morte. Hoje, isso continua a acontecer com muitos cristãos, perseguidos por causa da sua fé. Faz uma breve oração por eles.

Mártir significa, literalmente, “testemunha”. João Baptista é mártir porque testemunha com a própria vida a fidelidade aos valores do Evangelho.
Interroga-te sobre a forma como o teu viver testemunha uma identidade cristã. Onde sentes que ainda há trabalho a fazer? 

João Baptista foi o precursor do Messias. Quer isto dizer que a sua missão foi anunciar a vinda do Messias e a salvação ao alcance de todos. Ouve pela segunda vez o Evangelho e agradece as pessoas que te foram falando de Jesus. 

 

Colóquio final

Ao concluíres esta oração, pede a Deus a graça do discernimento, da sabedoria dos critérios que distinguem o bem e o mal. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.