Trigésimo segundo domingo do Tempo Comum

Hoje, a Igreja celebra o trigésimo segundo domingo do Tempo Comum. 

As luzes da cidade já não nos permitem compreender
como era vital, noutras épocas, 
não atravessar a noite sem uma candeia. 
Não obstante todas as tecnologias,
as redes, o digital, a sociedade do espetáculo,
o nosso coração continua a precisar
de uma pequena luz que o guie
no meio das suas angústias e medos.
Hoje é Domingo, o primeiro dia da semana:
nunca deixes acabar, durante esta semana, o azeite da oração
que mantém viva, entre os ventos e escuridões,
a luz da esperança. 

 

Vais escutar um salmo de peregrinação: um caminho que te conduz progressivamente ao encontro do Senhor.  

[Salmo 62 (63), 2.3-4.5-6.7-8]
Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro.
A minha alma tem sede de Vós.
Por Vós suspiro,
como terra árida, sequiosa, sem água.

Quero contemplar-Vos no santuário,
para ver o vosso poder e a vossa glória.
A vossa graça vale mais que a vida;
por isso, os meus lábios hão de cantar-Vos louvores.

Assim Vos bendirei toda a minha vida
e em vosso louvor levantarei as mãos.
Serei saciado com saborosos manjares
e com vozes de júbilo Vos louvarei.

Quando no leito Vos recordo,
passo a noite a pensar em Vós.
Porque Vos tornastes o meu refúgio,
exulto à sombra das vossas asas. 

 

Pontos de oração

O salmista estende os braços – toda a sua pessoa se orienta – rumo à vida plena, ao encontro do seu Senhor:
“Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro.”
“Em vosso louvor levantarei as mãos.”
“Exulto à sombra das vossas asas.”

Há um dinamismo que atravessa este salmo, que te faz sentir em viagem. Começas por sentir um profundo vazio interior: sentes que não te bastas e que só o Senhor te pode preencher. Experimentas o desejo de sair ao seu encontro, um desejo que te acompanha desde sempre. Assim, pões-te a caminho do santuário do Senhor. No final, os verbos deixam de ser conjugados no futuro para passarem ao presente. Vais chegando ao teu destino, saciando o teu desejo. Experimentas uma profunda paz junto do Senhor. 

Escuta pela segunda vez o salmo. 
A atitude de louvor é nele recorrente: “os meus lábios hão de cantar-Vos louvores”; “em vosso louvor levantarei as mãos”; “com vozes de júbilo Vos louvarei”. O louvor diz respeito a uma comunhão de vida com o Senhor, caracterizada por uma contínua ação de graças.

Numa atitude de profunda confiança, abre-te com o Senhor acerca do que tens vivido ultimamente e dos desafios que agora tens pela frente.

 

Oração final

Pai nosso que estais nos céus
santificado seja o vosso nome
venha a nós o vosso Reino
seja feita a vossa vontade
assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido
e não nos deixeis cair em tentação
mas livrai-nos do mal.