Vigésimo oitavo domingo do tempo comum

Hoje a Igreja celebra o vigésimo oitavo domingo do tempo comum.

Todos os domingos és convidado a fazer memória da Páscoa do Senhor. Não se trata apenas de lembrar, mais ou menos piedosamente, a morte e ressurreição de Jesus. “Fazer memória”, neste contexto, é tornar atual, viver agora esse acontecimento único na história da humanidade. Um acontecimento que mudou radicalmente a vida de todos os humanos – que mudou radicalmente a tua vida. Como diz São Paulo, “tu estavas morto por causa do pecado”, mas agora, por causa da Páscoa do Senhor, “está vivo para Deus”. Interroga-te sobre o modo como vives este “estar vivo para Deus”... e começa assim a tua oração.

Escuta o Salmo noventa e sete e que isso te dê vontade de aclamar a Deus, de proclamar o que é bom e as maravilhas que Ele fez e faz em ti. E as que pode fazer na vida de quem a Ele se confiar. [Sl 97 (98), 1-4] Cantai ao Senhor um cântico novo pelas maravilhas que Ele operou. A sua mão e o seu santo braço Lhe deram a vitória. O Senhor deu a conhecer a salvação, revelou aos olhos das nações a sua justiça. Recordou-Se da sua bondade e fidelidade, em favor da casa de Israel. Os confins da terra puderam ver a salvação do nosso Deus. Aclamai o Senhor, terra inteira, exultai de alegria e cantai.

Repete interiormente, como quem não quer esquecer, aquela que te parecer a frase ou palavra mais forte: que mexe contigo ou pode mexer com os outros.

Agora saboreia o silêncio e deixa ecoar em ti o sentimento agradecido do salmista que reconhece a salvação vinda de Deus e quer que a terra inteira O reconheça e aclame.

É preciso repetir para interiorizar. Ouve mais uma vez este canto de louvor e tem em mente tanta gente fechada em si mesma, sem esperança e ressentida. Como poderás aproximar-te dos outros levando a paz e a alegria?

Estás a iniciar mais uma semana do tempo comum. Entra nela com ânimo. E tenta perseverar na certeza de que nada te pode separar do amor de Deus que Jesus prometeu e garantiu com a entrega da sua vida.

Pai nosso que estais nos céus santificado seja o vosso nome venha a nós o vosso Reino seja feita a vossa vontade assim na terra como no Céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido e não nos deixeis cair em tentação mas livrai-nos do mal.