Vigésimo segundo domingo do Tempo Comum

Hoje, a Igreja celebra o vigésimo segundo domingo do Tempo Comum. 

Vivemos a correr,
em busca de uma salvação, de uma segurança, de uma conquista.
Que lógica é esta, que nos convida a perder a vida para a encontrar?
Que seguimento é este, que projeto de vida,
que fala de sofrimento, de entrega e de morte?
Hoje é domingo, o primeiro dia da semana:
pede ao Senhor que te ajude a mergulhar na sua lógica, 
no seu Reino, no seu amor; e começa assim a tua oração.


«Tenho sede», disse Jesus na cruz. «Tenho sede», diz a nossa alma ao seu Senhor. Que a tua sede de Deus seja lugar de encontro com Aquele que tem sede de te amar. 

Salmo 62 (63), 2.3-4.5-6.8-9
Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro.
A minha alma tem sede de Vós.
Por Vós suspiro,
como terra árida, sequiosa, sem água.
 
Quero contemplar-Vos no santuário,
para ver o vosso poder e a vossa glória.
A vossa graça vale mais do que a vida;
por isso, os meus lábios hão de cantar-Vos louvores.
 
Assim Vos bendirei toda a minha vida
e em vosso louvor levantarei as mãos.
Serei saciado com saborosos manjares,
e com vozes de júbilo Vos louvarei.
 
Porque Vos tornastes o meu refúgio,
exulto à sombra das vossas asas.
Unido a Vós estou, Senhor,
a vossa mão me serve de amparo. 

 

Pontos de oração

Graça. Refúgio. Amparo. O Senhor acompanha e sacia, o seu santuário é o lugar a que aspiramos. 
Deixa que as palavras do salmo ressoem em ti e acendam o teu desejo de caminhar para Deus.

Há em ti algum cansaço que precise de ser refeito? Que zonas da tua vida estão mais sequiosas? Saboreia sem pressa a memória do salmo, descansa no Senhor que te oferece saborosos manjares. 

Ao ouvires de novo o Salmo, percorre dentro de ti o caminho que vai da secura ao exultar de alegria. 

Deus está sempre disponível para retemperar as nossas forças, para nos segurar e sustentar ao longo do caminho. 
Pede-Lhe a graça de reconheceres a sua presença e ternura. 

 

Oração final

Pai nosso que estais nos céus
santificado seja o vosso nome
venha a nós o vosso Reino
seja feita a vossa vontade
assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido
e não nos deixeis cair em tentação
mas livrai-nos do mal.