Quarta-feira da primeira semana do Advento

Quarta-feira da primeira semana do Advento

Hoje é dia cinco de dezembro, quarta-feira, memória litúrgica dos Santos Martinho de Dume, Frutuoso e Geraldo.

Cada dia traz consigo novas oportunidades,
mesmo se parece ser apenas a repetição infindável das mesmas coisas.
Com a oração acontece algo parecido:
mesmo se parece sempre igual,
é, em cada dia, uma oportunidade para renovares a tua relação com o Senhor,
uma oportunidade de O conheceres melhor
e de te deixares renovar pelo seu amor.
Deixa que o Senhor venha ao teu encontro... e começa assim a tua oração.

Terça-feira da primeira semana do Advento

Terça-feira da primeira semana do Advento

Hoje é dia quatro de dezembro, terça-feira da primeira semana do Advento.

A oração deve ser um tempo de alegria:
estás com o teu Senhor e amigo, Jesus Cristo;
estás na presença de Deus Pai, que te ama infinitamente;
estás rodeado, mergulhado no amor que é o Espírito Santo...
E, no entanto, a oração é, tantas vezes,
um tédio insuportável,
um tempo sem sentido...
O problema é que a presença de Deus não é evidente.
Muitas vezes, é mesmo impossível sentir essa presença.
E por isso a oração também é um combate...
um combate contigo e com Deus.
Se for esse o caso, não desistas.
Permanece no terreno, dá o teu melhor, confia em Deus...
e começa assim a tua oração.

Segunda-feira da primeira semana do Advento

Segunda-feira da primeira semana do Advento

Hoje é dia três de dezembro, segunda-feira, memória litúrgica de São Francisco Xavier.

Hoje a Igreja recorda S. Francisco Xavier. No seu zelo missionário, Francisco Xavier percorreu grande parte do Oriente que os marinheiros portugueses iam dando a conhecer à Europa, até chegar ao Japão. Batizou milhares de pessoas e morreu esgotado, sem realizar o sonho de levar o Evangelho à China.
O estilo missionário de Francisco Xavier pode estar ultrapassado. Mas o seu amor por Jesus Cristo continua a ser exemplo para qualquer cristão. Deixa que este exemplo te anime a seres apóstolo do Evangelho, onde quer que te encontres... e com este desejo começa a tua oração.

DOMINGO I DO ADVENTO

DOMINGO I DO ADVENTO

Hoje a Igreja celebra o primeiro domingo do Advento.

Cada ano litúrgico, ou seja, cada ano de celebração do mistério de Jesus Cristo começa com o tempo do Advento.
Advento,
que é como quem diz “esperança”,
virtude de quem espera e se prepara para a chegada de alguém.
Neste caso,
quem vai chegar é o Verbo do Pai, o Senhor Jesus Cristo,
no mistério da sua encarnação e do seu nascimento,
feito um de nós.
Deixa crescer em ti o desejo de chegares ao Natal,
de o celebrares e, sobretudo, de acolheres Deus
que vem ao teu encontro numa criança frágil e pobre...
e com este desejo começa a tua oração.

Sexta-feira da trigésima quarta semana do Tempo Comum

Sexta-feira da trigésima quarta semana do Tempo Comum

Vais começar a tua oração.
Há, certamente, muitas coisas importantes que exigem o teu cuidado.
Procura libertar o teu coração de tudo isso,
para que o Senhor te encontre disponível para estar com Ele.
Se não te for possível pacificar o coração,
confia ao Senhor as tuas angústias e os teus trabalhos.
Sobretudo, não deixes de dar o tempo necessário à oração.
E o Senhor saberá tirar de tudo isso frutos de paz e alegria para ti.

Quinta-feira da trigésima quarta semana do Tempo Comum

Quinta-feira da trigésima quarta semana do Tempo Comum

Cada dia traz consigo coisas novas,
e também rotinas e repetições infindáveis.
A oração pode parecer-te uma destas repetições sem sentido,
uma rotina que nada acrescenta ao teu dia...
ou pode ser uma fonte de novidade permanente
que enche de luz o teu quotidiano.
Confia a tua oração à eterna novidade de Deus.
Ele não deixará de te surpreender,
mesmo nas coisas mais pequenas e humildes.
Disponível para as surpresas de Deus, começa a tua oração...

Quarta-feira da trigésima quarta semana do Tempo Comum

Quarta-feira da trigésima quarta semana do Tempo Comum

Abre o teu coração ao Espírito Santo.
Pede-Lhe que te revele as profundezas da tua pobreza,
do teu egoísmo,
do teu apego a ti e às coisas.
Deixa que seja o mesmo Espírito a revelar-te a tua capacidade de amar,
de te dares,
de seres feliz com os outros...
Deixa que o Espírito Santo te liberte das ilusões e dos preconceitos...
E, assim, livre para o teu encontro com Deus e com os outros,
começa a tua oração.

Terça-feira da trigésima quarta semana do Tempo Comum

Terça-feira da trigésima quarta semana do Tempo Comum

Começa este tempo de oração com um ato de fé na presença do Senhor.
Procura fazer este ato de fé com palavras tuas,
que te comprometam e exprimam os teus sentimentos mais profundos.
Repete-as uma e outra vez,
dando tempo para que a presença de Deus se faça realidade vivida por ti,
nas circunstâncias em que te encontras.
Se não conseguires sentir a presença de Deus, não te enerves.
Permanece firme na tua oração e diz humildemente:
“Eu creio, Senhor. Aumenta a minha pouca fé”.

Segunda-feira da trigésima quarta semana do Tempo Comum

Segunda-feira da trigésima quarta semana do Tempo Comum

Olha à tua volta.
Provavelmente, encontras a realidade de todos os dias diante dos teus olhos.
Procura ver com os olhos de Jesus:
com simplicidade, mas também com prudência;
com respeito, mas sem respeitos humanos...
e, sobretudo, com amor,
o único modo de olhar capaz de ver para lá das aparências.
Pode ser que, olhando assim,
descubras algo de novo no teu quotidiano.
Se for o caso, começa por aí a tua oração...

Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo

Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo

Este domingo encerra o ano litúrgico.
Pode ser também o final de mais uma etapa na tua vida de oração.
Olha por momentos para o caminho que fizeste.
Recorda as graças que o Senhor te concedeu,
as vezes que sentiste a sua presença mais próxima e mais amiga.
Recorda, agradece e repousa no coração deste Senhor do Universo,
que te ama como se não existisse mais ninguém.
Começa assim a tua oração.

Sexta-feira da trigésima terceira semana do Tempo Comum

Sexta-feira da trigésima terceira semana do Tempo Comum

Durante alguns momentos, toma consciência da tua respiração. Considera como a tua vida depende deste movimento incessante e automático.
Considera também como é necessário, por vezes, respirar fundo, enchendo os pulmões de ar e tomando consciência da sua capacidade, que raramente usas.
Com a oração acontece algo semelhante: é preciso que se torne tão habitual como a respiração... e, de vez em quando, precisas de experimentar toda a capacidade de rezar que levas dentro de ti. Hoje, procura respirar espiritualmente com todas as tuas capacidades... e com este desejo começa a tua oração.