Sexta-feira da vigésima segunda semana do tempo comum

Sexta-feira da vigésima segunda semana do tempo comum

“A salvação dos justos vem do Senhor”. Considera como é importante esta certeza: os justos não se salvam a si próprios, a sua salvação vem do Senhor. Se é assim com os justos, como não será ainda mais com os pecadores? Como não será assim contigo? Procura tomar consciência desta realidade: a tua salvação vem do Senhor. Não vem da tua sabedoria, nem dos teus méritos, nem da tua força. É totalmente gratuita, totalmente dom de Deus. Acolhe este Senhor que te busca para te salvar... e começa assim a tua oração.

Quinta-feira da vigésima segunda semana do tempo comum

Quinta-feira da vigésima segunda semana do tempo comum

Procurar a face de Deus. O Papa Bento XVI dizia que este era o objetivo dos monges antigos e deve ser o objetivo de cada cristão: procurar a face de Deus. A oração é esta busca constante, nunca terminada, alimentada pelo desejo de contemplar o Senhor e de se deixar perder no amor do seu olhar. Hoje, pede ao Senhor a graça de cultivares este desejo toda a tua vida, fazendo dele caminho para a eternidade. E começa assim a tua oração.

Quarta-feira da vigésima segunda semana do tempo comum

Quarta-feira da vigésima segunda semana do tempo comum

Pôr a nossa confiança no Senhor não é fácil. É mais fácil pôr a confiança em si ou nos outros. Olhar os poderosos, os ricos, os famosos como modelos é profundamente sedutor. Hoje, interroga-te sobre o alicerce que vais dando aos teus dias. Talvez descubras que onde deverias colocar pedras grandes e bem trabalhadas tens colocado areia e barro. Talvez descubras que onde deveria estar o Senhor, está um ídolo com pés de barro. Não rejeites esta possibilidade demasiado depressa. Pede ao Senhor a graça do seu Espírito Santo, para veres melhor em quem colocas a tua confiança... e começa assim a tua oração.

Terça-feira, memória litúrgica de São Gregório Magno, papa e doutor da Igreja

Terça-feira, memória litúrgica de São Gregório Magno, papa e doutor da Igreja

“O Senhor é bom para com todos...”. É extraordinário que o salmista consiga perceber esta verdade e tu consigas duvidar, mesmo conhecendo Jesus Cristo. Será que duvidas? Interroga-te sobre a tua relação com o Senhor Jesus. Reconheces esta bondade infinita sempre presente na tua vida? “O Senhor é bom para com todos...”. Consegues dizê-lo, acreditando naquilo que dizes com todo o teu coração? É tão difícil acreditar assim! Mas é para esse lugar especial que precisas de caminhar... E o Senhor faz caminho contigo. Com esta certeza, começa a tua oração.

Segunda-feira da vigésima segunda semana do tempo comum

Segunda-feira da vigésima segunda semana do tempo comum

Cada dia, o Senhor vem ao teu encontro. Ele deseja ficar contigo e guardar-te na sua paz. A oração é a tua resposta a este desejo do Senhor. Quanto maior for a tua sensibilidade à presença de Deus, mais e melhor és capaz de rezar – sabendo sempre que também a oração é dom de Deus, graça não merecida, à qual respondes o melhor que podes. Hoje, pede ao Senhor a graça de uma oração mais atenta à sua Palavra, feita desejo de O escutar e de levar para a vida o que rezas... e começa assim a tua oração.

Vigésimo segundo domingo do tempo comum

Vigésimo segundo domingo do tempo comum

Bendizer o Senhor dia após dia. Não é fácil mas é o fundamental da tua oração. Não é fácil porque, muitas vezes, o teu coração fica fechado pelo sofrimento e não há em ti nenhuma disponibilidade para uma oração de louvor. Mas é fundamental, porque nenhuma oração é possível sem antes reconheceres a bondade infinita de Deus, o seu amor por ti e por todas as suas criaturas. Hoje, bendiz a Deus por todas as suas criaturas, porque criou tudo com sabedoria e amor. Agradece por todos aqueles que se comprometem no cuidado da criação e por tudo quanto fazes para tornar o mundo um lugar mais habitável e fraterno. E começa assim a tua oração.

Sexta-feira da vigésima primeira semana do tempo comum

Sexta-feira da vigésima primeira semana do tempo comum

Reza, hoje, como se não houvesse amanhã. Como se não fosses dono do tempo que te é dado – porque, de facto, não és esse dono que pode dispor do tempo conforme lhe apetece. Simplesmente, não sabes nada sobre isso, a não ser que agora desejas estar com o Senhor, em oração. Há uma liberdade grande nesta consciência da tua fragilidade, da impossibilidade de controlares o minuto que passa... entrega tudo ao Senhor, diz-lhe quanto confias na sua bondade, fala-Lhe da tua certeza de estares em boas mãos porque estás nas mãos d’Ele... e começa assim a tua oração.

Quinta-feira, memória litúrgica do martírio de São João Batista

Quinta-feira, memória litúrgica do martírio de São João Batista

“O Senhor é grande e digno de louvor”. Deixa-te tocar pela grandeza de Deus, não a grandeza reivindicada pelos poderosos da terra, mas a grandeza do amor: o Senhor é grande porque é Amor. E porque é Amor, é digno de louvor. Esta é a fonte de toda a oração. Uma fonte que alimenta a tua oração mesmo quando estás triste ou sentes dificuldade em rezar. Seja qual for o modo como te sentes hoje, diz no teu coração: “O Senhor é grande e digno de louvor”... e começa assim a tua oração.

Quarta-feira, memória litúrgica de Santo Agostinho

Quarta-feira, memória litúrgica de Santo Agostinho

Depois de ontem ter feito memória da mãe – Santa Mónica – hoje a Igreja faz memória do filho – Santo Agostinho. Agostinho percorreu todos os caminhos do filho pródigo: cheio de dons e incapaz de reconhecer o seu Autor; orgulhoso, rejeitava a sabedoria cristã, que lhe parecia coisa de crianças, diante das alturas da filosofia; quando as suas certezas caíram por terra, viu-se sem nada e começou, penosamente, a percorrer os caminhos que haviam de o levar à casa de Deus. Convertido, abandonou os sonhos de glória, colocou-se ao serviço dos seus irmãos, como sacerdote e bispo. E veio a ser um dos maiores sábios da história cristã. Pede ao Senhor a graça de nunca ignorares o seu chamamento... e começa assim a tua oração.

Terça-feira, memória litúrgica de Santa Mónica

Terça-feira, memória litúrgica de Santa Mónica

Santa Mónica, que a Igreja hoje recorda, é um exemplo de perseverança e humildade. Nas condições do seu tempo, no século quarto, viveu com sabedoria e fidelidade a vida matrimonial, ajudando o marido a mudar comportamentos enraizados na cultura do tempo e, até, a fazer-se cristão. Consciente da sua missão de mãe, ajudou os filhos a crescer na fé, rezando e chorando sobretudo por causa do filho Agostinho, que vivia longe da fé cristã – e teve a felicidade de o ver batizado e discípulo fiel do Senhor Jesus. Agradece ao Senhor este exemplo que te chega de tempos tão distantes e te mostra o caminho do seguimento de Cristo... e começa assim a tua oração

Segunda-feira da vigésima primeira semana do tempo comum

Segunda-feira da vigésima primeira semana do tempo comum

“O Senhor ama o seu povo”, diz o salmista. Tu podes também dizê-lo e podes dizer ainda mais: “O Senhor ama-me com um amor eterno. O Senhor nunca se esquece de mim. Nas minhas dificuldades, nos meus sofrimentos, nas minhas alegrias, o Senhor está sempre a meu lado”... Procura que estas palavras ou outras semelhantes não sejam apenas palavras, mas a realidade profunda de cada um dos teus dias. Faz delas o alicerce que te faz sentir em segurança, mesmo nas situações mais difíceis... E começa assim a tua oração.

Vigésimo primeiro domingo do tempo comum

Vigésimo primeiro domingo do tempo comum

O domingo é a “Páscoa semanal” dos cristãos, a tua Páscoa semanal. E não apenas dos cristãos, mas também de todos os homens e mulheres e do universo, finalmente livres do poder do pecado e da morte. Procura ter presente esta verdade no dia da tua libertação. E procura sentir-te livre, pois a libertação que o Senhor realiza na tua vida nem sempre é evidente, devido às muitas coisas e pessoas a quem dás poder para limitarem a tua liberdade de filho de Deus. Saboreia a liberdade de agora, antecipando a libertação definitiva... E começa assim a tua oração.